Lopes: reforço para o ataque já.

A intenção da diretoria alviverde era disputar o Campeonato Brasileiro com o elenco que se sagrou campeão paranaense. Mas os planos parecem ter ido água abaixo. A entrada do “trio de ouro” – leia-se Aristizábal, Luís Mário e Tuta – no departamento médico, fez a comissão técnica pedir socorro. Agora, o treinador admite que o Alviverde está a caça de um jogador à altura dos titulares. “Precisamos de um jogador de nível. Não queremos um japonês”, disse o técnico.

O pedido, que tem caráter emergencial, foi feito após a constatação da extensão do problema do trio. Luís Mário e Tuta estão fora há duas rodadas e ainda são dúvidas para a partida contra a Ponte Preta, no domingo. “Eles serão avaliados apenas na quinta-feira. Ainda é cedo para dizer”, diz o médico do clube, Lúcio Ernlund. O caso de Luís Mário – um estiramento na coxa direita – é semelhante ao do lateral-esquerdo Adriano, que ainda não estreou no campeonato brasileiro, mas tem tudo para jogar contra a Macaca. A lesão de Tuta é em um grau um pouco mais leve, mas ele ainda sente dores e segue em tratamento intensivo. A situação do colombiano Aristizábal é ainda mais grave. Ele sofreu um estiramento na panturrilha no treinamento de sexta e a previsão mínima de “estaleiro” é de três semanas. Sem o talentoso setor ofensivo, a torcida poderá continuar sofrendo, como aconteceu no jogo contra o São Paulo.

Solução

De antemão, Lopes já chamou de volta ao time profissional o garoto Laércio, que tinha voltado à equipe de juniores para ganhar mais amadurecimento. Em período de teste, o time tem o atacante Adílson, que defendeu a Adap no estadual. Além de um atacante, há a possibilidade da contratação de mais um lateral-direito.

Não bastassem os problemas de contusões, Lopes “ganhou” dois suspensos para o jogo com a Macaca. Na zaga, o time não contará com Miranda, e Danilo deve ser o substituto. No ataque, Rodrigo Batatinha, que vinha fazendo as vezes de atacante, também fica de fora. O seu substituto deve ser anunciado apenas na quinta-feira, dependendo da recuperação ou não de Luís Mário.

Coritiba mobilizado para reaver 6 pontos

O próximo jogo do Coritiba será domingo, às 16h, contra a Ponte Preta, em Campinas. Entretanto, a nação alviverde ainda não está com o pensamento voltado para este compromisso. No Alto da Glória, o assunto é outra partida: Coritiba x CBF, que será disputada no Superior Tribunal de Justiça Desportiva (STJD), na quinta-feira – o Coritiba espera o comunicado oficial do julgamento.

Ontem à tarde, no Rio de Janeiro, surgiu a informação de que o vice-presidente do clube, Domingos Moro, advogado de defesa do Coritiba, pediria ao presidente do STJD, Luiz Zveiter, o adiamento do julgamento. O dirigente negou a informação. “Não negamos que se tivéssemos mais tempo para reunir informações para a defesa seria melhor. Mas estamos prontos para a luta”, disse.

A verdade é que o grande trunfo da defesa alviverde já estará na mão do advogado na quinta-feira: o resultado do julgamento do caso Diego, do Atlético Paranaense. Na verdade, o rubro-negro só senta no banco dos réus amanhã devido à denúncia feita pelo Coritiba na última segunda-feira, quando o alviverde estava sendo julgado pela 1.ª Comissão Disciplinar. Apesar de repetir insistentemente que só denunciou o arqui-rival como instrumento de defesa, Moro vem sendo hostilizado pela torcida atleticana. “Eles não entenderam os motivos do Coritiba. Mas isso vai passar, tão logo os julgamentos acabem e todos sejam absolvidos”, diz esperançoso.

A torcida de Domingos Moro pela absolvição do Atlético é natural. Apesar de o caso Diego ser um pouco diferente do caso Ataliba, já que o departamento de registro do rubro-negro notou a ausência do nome de Diego no BID com antecedência, Moro quer ir na esteira do rival. “Se o Atlético for absolvido, mesmo que o nome de Diego não estivesse no BID, temos excelentes chances de reaver os pontos. Se não confiássemos nessa possibilidade, não teríamos feito a acusação”, garante.

Por uma coincidência, a mesma comissão que julgará o Atlético – a 3.ª – também julgará, um pouco antes, o volante coxa-branca Vágner, expulso no Atletiba do dia 2. Para evitar saia-justa, quem defenderá o zagueiro coxa será o advogado Fernando Barrionuevo. Ele estará atento a cada detalhe do julgamento do rubro-negro. “Não podemos acrescentar mais provas, mas para a defesa oral, estamos reunindo novos argumentos. Uma absolvição do Atlético será um a mais”, concluiu o vice-presidente Domingos Moro.