A Grã-Bretanha anunciou nesta quarta-feira que vai proibir os chefes de Estado que violaram os direitos humanos de acompanharem no país os Jogos Olímpicos de Londres. Jeremy Browne, ministro das Relações Exteriores, disse ao parlamento que líderes ligados a esses crimes não terão permissão para entrar no país, se existirem provas críveis e independentes desses abusos.

Browne disse em uma declaração por escrito que quem está sujeito a uma proibição de viajar pela União Europeia ou pela Organização das Nações Unidas não será recebido no país durante os Jogos Olímpicos, que terá a sua cerimônia realizada no dia 27 de julho, com o encerramento marcado para 12 de agosto.

Os comentários foram feitos apenas alguns dias após o presidente iraniano, Mahmoud Ahmadinejad, declarar que estava ansioso para acompanhar a Olimpíada de Londres, mas que a Grã-Bretanha não deseja recebê-lo. De acordo com a agência de notícias oficial do Irã, ele disse que queria estar “ao lado dos atletas iranianos”.