Grande surpresa da chave feminina de Wimbledon, a tenista alemã Sabine Lisicki desbancou mais uma favorita nesta quinta-feira e garantiu a inédita presença na final do torneio, quando enfrentará a francesa Marion Bartoli. Sua vítima na semifinal do terceiro Grand Slam da temporada, disputado em quadras de grama, em Londres, foi a polonesa Agnieszka Radwanska.

Com 23 anos, Lisicki ocupa atualmente o 24º lugar no ranking mundial, mas já chegou a estar na 12ª posição em maio do ano passado. Dona de apenas três títulos no circuito da WTA, ela nunca foi campeã de um torneio do Grand Slam – e nem ao menos chegou à final de um deles. Sua melhor campanha em Wimbledon, até então, era a semifinal da edição de 2011.

Mas tudo mudou na histórica campanha que vem fazendo na edição deste ano do Grand Slam londrino. Para chegar à final, Lisicki foi eliminando favoritas pelo caminho, com destaque para a vitória sobre a norte-americana Serena Williams, atual número 1 do mundo e que lutava pelo bicampeonato de Wimbledon, em jogo das oitavas de final, quando fez 2 sets a 1.

No jogo desta quinta-feira, Lisicki travou uma dura batalha contra Agnieszka Radwanska, tenista melhor ranqueada entre as quatro semifinalistas do torneio – ocupa o quarto lugar no ranking. Ela precisou de 2 horas e 18 minutos para ganhar por 2 sets a 1, com parciais de 6/4, 2/6 e 9/7. “É inacreditável”, comemorou a polonesa, ainda na quadra central de Wimbledon.

A alemã chegou a estar perdendo por 3 a 0 no terceiro e decisivo set, mas conseguiu a recuperação para sair com a vitória numa parcial com 69 minutos de duração. “Foi uma batalha e estou muito feliz por ter vencido. Lutei com todo meu coração e sempre acreditei que iria vencer, independentemente do que o placar mostrava”, contou Lisicki, após ganhar de Radwanska.

Agora, Lisicki tentará desbancar mais uma favorita: Marion Bartoli, número 15 do mundo, que se classificou mais cedo para a decisão, ao ganhar da belga Kirsten Flipkens por 6/1 e 6/2. Mas a alemã leva vantagem sobre a sua rival na final de sábado, com três vitórias e apenas uma derrota no retrospecto – ganhou, inclusive, nas quartas de final de Wimbledon em 2011.

Mas, independente do resultado da decisão contra Bartoli, Lisicki já fez história: ela é a primeira alemã a disputar a final de Wimbledon desde a lendária Steffi Graf em 1999. Uma das maiores tenistas de todos os tempos, com sete títulos no Grand Slam londrino, Graf chegou a mandar uma mensagem para Lisicki antes do jogo desta quinta-feira para deseja boa sorte.