O trio que a torcida queria.

O técnico Levir Culpi está prestes a realizar um dos grandes desejos da torcida do Atlético: colocar Washington, Ilan e Dagoberto para atuarem juntos.

Ontem, ele revelou que vai trabalhar o time esta semana com estes três atacantes e que são grandes as chances do Rubro-Negro enfrentar o Corinthians, domingo, em São Paulo, com essa artilharia da pesada. Se o treinador confirmar essa formação, o Furacão seguiria a tendência de outras equipes do país de voltar a atuar com três avantes.

“Dependendo do condicionamento do Dagoberto nos treinamentos, ele poderá já ser utilizado, por que não? Tudo depende do jogo”, aponta Levir Culpi. Segundo ele, outros times estão utilizando esse expediente e estão indo bem. “O Corinthians mesmo está jogando num esquema parecido e já teve um grande momento com três atacantes e, agora, vem com o Marcelo Ramos, o Jô e o Gil. O Santos veio com três atacantes e, por que não, em certo momento, o Dagoberto, o Washington e o Ilan?”, questiona.

Para tanto, o comandante rubro-negro quer trabalhar bastante a formação para não ter que ficar alterando muito o time durante as rodadas. “É preciso que a gente tenha condição de treinamento. Não adianta ficar mudando a cada jogo, temos que pensar uma coisa e ir fazendo. Eu quero treinar para que eles saibam o que vai acontecer com essa formação”, destaca. Além disso, Levir quer posicionar muito bem a equipe durante a semana para não deixar a retaguarda desguarnecida. “Todos os três são jogadores de altíssima qualidade e se você equilibrar bem o sistema defensivo com o meio de campo e o ataque, essa formação poderá ser utilizada”, explica.

Quem comemora a possibilidade são os próprios envolvidos. “Para nós é ótimo. O Dagoberto é mais um jogador de qualidade. Vai ficar um ataque muito rápido e Levir que vai definir”, analisa Ilan. A opinião é compartilhada pelo matador Washington. “O Atlético tem o privilégio de ter três grandes atacantes, três jogadores de nível de seleção brasileira. Então, ele vai testar para ver e eu acho que essa formação tem tudo para dar certo e o time conseguir as vitórias”, diz. Ontem, Levir apenas acompanhou o trabalho físico no CT do Caju e hoje, efetivamente, ele começa a moldar a equipe para pegar os paulistas.

Morais deve ser anunciado hoje

O Atlético deverá anunciar hoje a contratação do meia Morais, do Vasco da Gama. As negociações estão avançadas e o jogador já deve treinar no CT do Caju. No acordo, o Rubro-Negro pagaria os atrasados ao atleta e ficaria com 50% dos direitos federativos dele e autonomia para uma transação futura. Além dele, o clube corre atrás de mais gente para fechar o elenco para o Campeonato Brasileiro, solicitações do técnico Levir Culpi.

“Nós teremos algumas modificações, mas é preciso que se concretize essa situação, para depois ser divulgada. Primeiro você tem que concluir a negociação”, disse o treinador. Ele desconversou quanto ao número de reforços e posições.

Mesmo sem dar pistas, não é segredo nos bastidores que um atacante e um lateral-direito são as prioridades do clube para o restante da competição. Com a vinda de mais dois, alguns atletas sairão. Os atacantes Rena e Ricardinho têm proposta do Paulista/SP, o zagueiro Valnei deverá ser liberado e o meia Fabrício estuda proposta de clubes da Série B e do Atlético/MG.

Familiares de Ramalho querem publicar um livro

Um livro para homenagear Genésio Ramalho, ex-jogador do Atlético e autor da música do hino do clube. Este é o sonho do filho Genésio Aníbal Ramalho e do neto Gustavo Neves Ramalho, que estão reunindo todo o material possível para eternizar a memória de um dos mais ilustres rubro-negros da história. Além de participar da vida do clube, Genésio foi conhecido nos anos 50 por sua orquestra, que animava os bailes da época.

Sua paixão pelo Furacão era tanta que ele cedeu os direitos da música (assim como Zinder Lins, os da letra) do hino para o clube.

Para manter viva estas e várias outras passagens da vida dele, o próprio neto já confeccionou dois exemplares do que seria o esboço da publicação, com muitos recortes de jornais, matérias em revistas, fotografias do arquivo pessoal. “Eu fiz esse livro como homenagem a ele. Dei um para minha avó e ficamos com o outro”, conta Gustavo. Agora, ele procura uma editora interessada em compilar todo o material para que possa ser publicado de maneira comercial. “Eu queria fazer um trabalho mais biográfico, com mais ilustrações”, diz o orgulhoso neto. Contatos podem ser obtidos pelos telefones 41 244 1378/9132-2371.