A Comissão Superior de Apelação de Federação Francesa de Futebol reviu a pena imposta ao brasileiro Leonardo, diretor esportivo do Paris Saint-Germain, e decidiu dar uma suspensão ainda mais dura ao dirigente. Ao invés de ficar nove meses sem poder sequer entrar no vestiário de um jogo oficial e assinar documentos em nome do PSG, agora o gancho vale até 30 de junho do ano que vem, numa punição de um ano.

A suspensão ao brasileiro foi por conta de um empurrão no árbitro Alexandre Castro ao fim da partida entre PSG e Valenciennes, no começo de maio, em rodada do Campeonato Francês. Ele primeiro foi suspenso provisoriamente pela comissão disciplinar da Liga Francesa e em seguida foi punido com nove meses de afastamento em nova reunião do comitê.

Na ocasião, Leonardo disse que o delegado do jogo o empurrou para cima de Castro, enquanto as imagens captadas por uma rede de televisão mostram claramente que o brasileiro parou deliberadamente o árbitro principal da partida no túnel que levava aos vestiários.

O dirigente estava insatisfeito com a arbitragem durante a partida. Alexandre Castro expulsou o zagueiro brasileiro Thiago Silva ainda no primeiro tempo da partida, causando a ira de Leonardo, que precisou ser contido pelo presidente do PSG, Nasser Al-Khelaifi, ainda nos túneis.

Nesta quinta, Leonardo poderia ter sua pena amenizada, mas não apareceu no julgamento, em Paris, alegando que estava no meio de uma negociação. O fato irritou os membros da Comissão de Apelação, que resolveram ampliar a punição – até porque o dirigente já estava suspenso e não poderia exercer sua função. Além disso, novas imagens foram usadas para provar que Leonardo entrou deliberadamente na frente do árbitro.

O PSG também perdeu três pontos na próxima edição do Campeonato Francês no julgamento realizado no fim de maio. O clube recorreu, mas a Comissão de Apelação da Federação decidiu repassar essa decisão para a Comissão Disciplinar da Liga Francesa.

Não fosse a suspensão, Leonardo poderia ter assumido o cargo de Carlo Ancelotti, treinador que foi para o Real Madrid. Mas, impossibilitado de trabalhar, viu Laurent Blanc assumir o posto.

Esta é a segunda grande polêmica que mancha a carreira de Leonardo. Quando jogador, sua passagem pela seleção brasileira ficou marcada por uma cotovelada sem propósito no norte-americano Tab Ramos, durante a Copa do Mundo de 1994. O brasileiro foi excluído da competição e o rival teve que passar por longo tratamento para se recuperar do trauma na cabeça.