A reestreia do treinador Emerson Leão no Morumbi não poderia ocorrer em momento mais delicado para o São Paulo. Sem vencer há 9 rodadas, o time entra em campo com a obrigação de vencer o Avaí, neste sábado, às 19 horas, pela 34.ª rodada do Campeonato Brasileiro, para ainda sonhar com uma vaga na próxima edição da Copa Libertadores da América.

E para evitar a repetição das vaias a seus antecessores – Paulo Cesar Carpegiani e Adilson Batista -, Leão cobrou empenho total do elenco. “A vaia é apenas reflexo do que acontece em campo. Nunca vi torcida vaiar equipe que joga com raça e dedicação. Mas não me preocupo com vaias”, disse o treinador, que terá o desafio de melhorar o baixo aproveitamento (50%) do time diante da torcida. “O São Paulo construiu o Morumbi para se sentir mais confiante e não desconfortável”.

Depois de três partidas como visitante, com um empate e duas derrotas, Leão retorna ao Morumbi com boas lembranças – em abril de 2005, ele comandou o clube tricolor pela última vez no estádio e venceu o argentino Quilmes por 3 a 1, pela fase de grupos da Libertadores. Pouco depois, ao aceitar oferta do Vissel Kobe, do Japão, saiu com aproveitamento de 84,7% no Morumbi.

Ao barrar Juan, Leão pode ter ganhado pontos com os torcedores. No lugar do criticado lateral-esquerdo, Cícero voltará a ser improvisado pela esquerda. “Gostei mais do que vi. E quando o treinador gosta mais, escala mais”, disse Leão. “Ele (Cícero) tem a técnica ofensiva que estou precisando”.

Na outra lateral, a direita, Jean ganha chance no lugar de Piris, que serve à seleção do Paraguai nas Eliminatórias Sul-Americanas para Copa do Mundo de 2014, que acontecerá no Brasil. Na zaga, Luiz Eduardo ocupa a vaga de João Filipe, que foi muito mal na derrota de virada para o Bahia, em Salvador (4 a 3), e se machucou durante um treino nesta semana. A única dúvida é o goleiro e capitão Rogério Ceni, que treinou normalmente, mas ainda será avaliado pouco antes da partida deste sábado.