Santos – O técnico Leão foi tentado nas últimas horas com uma proposta que ele classificou como irrecusável: dirigir o Cruzeiro. Mas ele pensou e decidiu permanecer na Vila Belmiro, satisfeito com o desafio de lançar um time jovem para disputar o Brasileirão. Se Leão permanece na Vila Belmiro, Robert continua com a situação complicada. Ele está treinando normalmente, já foi avisado que a diretoria quer reduzir seu salário, mas ainda não recebeu qualquer proposta nesse sentido.

Ontem ele conversou com os jornalistas e revelou que não está em seus planos jogar por um salário menor. No passado, fez acordo, baixou seus rendimentos e, logo depois, o Santos contratou Marcelinho Carioca ganhando muito mais do que ele. Como seu contrato vence em 31 de dezembro, está tranqüilo: quer cumprir o compromisso e está à disposição do técnico Leão. Só que na diretoria a situação é outra. O primeiro indício foi a revelação do salário do atleta, que custa R$ 120 mil mensais para o clube, indispondo-o com torcedores. Outra tática empregada é arrastar as negociações para conseguir uma rescisão negociada, que barateie a saída de Robert do time.

Aprimorar

Alheios ao convite recebido por Leão e à situação de Robert, os jogadores treinaram ontem em dois períodos. O meia Renato gostou da vitória sobre o Botafogo (2×1), mas acha que é preciso aprimorar muita coisa ainda. “É preciso melhorar o posicionamento da equipe e as finalizações para não deixar escapar as chances que criamos”.