Após 10 jogos e com um aproveitamento regular (três vitórias, dois empates e cinco derrotas) Waldemar Lemos deixou o Atlético. O treinador comentou que já havia conversado sobre a demissão com o presidente Marcos Malucelli, mas não com os jogadores.

“Hoje atendi um pedido dele (presidente) que sempre me tratou com muita consideração. Cumpri minha tarefa e trabalhei o máximo que pude. Infelizmente o momento é esse”, afirmou.

Conforme Lemos o relacionamento entre os atletas no Furacão é bom e não há panelas. Ele desconsiderou que qualquer atrito com atletas (no caso uma discussão com Netinho) tenha provocado desgaste seu perante o grupo. Foi o desempenho aquém do esperado que resultou em sua queda.

“Não saio chateado. Fiz grandes amizades, tenho grandes amigos aqui. Acho que entenderam a minha proposta, mas infelizmente não obtive sucesso”, finalizou. O diretor de futebol, Ocimar Bolicenho, confirmou que Lemos colocou o cargo à disposição após a derrota para o Avaí e aceitou permanecer até ontem porque não havia tempo hábil para se efetivar um novo comandante.

O dirigente elogiou a conduta do ex-treinador: “Gostaria de resumir o trabalho de Waldemar em uma frase: a pessoa que tem grandes ilusões, sofre as decepções na mesma proporção”. Foi o que aconteceu com ele. Trabalhou demais com o grupo, deu tudo de si e acabou num espaço tão curto de tempo”, explicou.

Bolicenho ressaltou que o problema no Atlético não é apenas no comando técnico, já que em 15 rodadas ocorreram duas trocas de treinador. “A culpa não pode estar somente no comando técnico. Acho que é momento de sentarmos e com a chegada do novo treinador, tomar providências diante de tudo que vimos nos 40 dias que estou aqui. E o que vimos é que não é apenas o comando técnico que está devendo no Atlético. Providências têm que ser tomadas”, analisou.

Sobre o novo contratado, o dirigente disse apenas que ele tem que ter perfil de autoridade. “O treinador tem que ter autoridade. Tem que dizer ao grupo o que o Atlético espera. E dizer isso também tecnicamente, mostrando o que tem que ser feito para resgatar o Atlético dentro da competição. Porque administrativamente, como instituição, temos dito a eles todos os dias”, finalizou o diretor.

O próximo desafio do Furacão é no domingo, contra o Fluminense. O jogo será em Londrina, já que o clube foi penalizado com a perda do mando de campo devido à confusão entre torcedores no Atletiba.