São Paulo (AE) – Leandro Barbosa, o Leandrinho, queria dar uma vida melhor à família. Ainda pequeno, já pensava em atuar na NBA, isso no tempo em que a liga americana não era globalizada e não passava de um sonho distante para jogadores estrangeiros. Desde que pegou uma bola de basquete, já sonhava com salários de quase US$ 900 mil por temporada para os novatos. Fã de Michael Jordan, sabia que o astro do basquete americano ganhava muito. Hoje, aos 22 anos, depois da 2.ª temporada na NBA o sonho começa a virar realidade. Com o Phoenix Suns, tornou-se o primeiro brasileiro a chegar a uma final de Conferência. Já deu um carro e uma casa confortável à mãe, Ivete, e ajuda irmãos e sobrinhos.

De brinco de diamante, parte do visual NBA – ?mas com simplicidade? – Leandrinho passou os últimos 15 dias em São Paulo, com a namorada, Jill Lewis, de 23 anos, matando saudades da família e treinando com o time da Hebraica, longe da imprensa. Volta hoje para os Estados Unidos – antes falou à Agência Estado. Vai jogar a Summer League e, depois, se integrar à seleção brasileira, comandada por Aloísio Ferreira, o Lula. ?Volto em duas semaninhas.? O pivô Baby Araújo, do Toronto Raptors, também está treinando na Hebraica e na seqüência se apresenta à seleção.

Leandrinho chegou aos EUA em abril de 2003, a tempo de se preparar para o draft, realizado em 26 de junho – foi escolhido em 28.º lugar pelo San Antonio Spurs e, em seguida, repassado ao Phoenix Suns, em que estreou em outubro. Duas temporadas depois, está 11 kg mais pesado. Ganhou massa muscular e visão de jogo, fundamental para um armador. Com o Phoenix, foi à final da Conferência do Oeste, perdendo para o San Antonio, que ficou com o título da NBA. Na temporada regular, disputou 63 partidas, com média de 17,3 minutos e 7 pontos por jogo. Na fase final, atuou 12 vezes, com média de 9,7 minutos e 2,5 pontos.