A Alemanha chegou à Rússia para a Copa das Confederações com uma equipe bastante renovada. Assim como a geração campeã mundial, os novos astros alemães são vistos com muita esperança, mas eles mesmos fazem questão de refutar as comparações com nomes como Lahm, Khedira, Özil, Kroos, entre outros.

“Estes são todos campeões mundiais, enquanto a gente ainda tem muito caminho para percorrer. Mas como nos conhecemos e jogamos juntos desde as seleções sub-16 e sub-17, sabemos como jogar juntos, que tipo de jogador o outro é, e temos uma comunicação incrível”, declarou o lateral Brandt em entrevista ao site da Federação Alemã de Futebol.

Aos 21 anos, Brandt é um dos destaques do Bayer Leverkusen e desponta como futuro dono da lateral esquerda da Alemanha. Ele fez questão de exaltar o sistema de jogo da seleção e explicou que o terceiro gol no triunfo sobre a Austrália, por 3 a 2, na estreia, foi prova do entrosamento já existente entre estes jovens jogadores.

“Este entrosamento funcionou algumas vezes (contra a Austrália). Por exemplo, no gol do Goretzka, eu toco para o Joshua (Kimmich) e ele dá o lançamento para o Goretzka. Nós nos entendemos bem, assim como eles (campeões mundiais de 2014), isso eu consigo ver”, considerou.

Apesar dos sustos contra a Austrália, Brandt também considerou que a Alemanha tem totais condições de bater o Chile na partida que acontecerá quinta-feira, em Kazan. “Acho que podemos bater o Chile, mas que será um jogo muito, muito difícil. Não é à toa que eles são um dos melhores times do mundo. Teremos que jogar no nosso limite. Se corrigirmos alguns erros que tivemos contra a Austrália, vamos ter chance.”