O meio-campo Kléberson respira novos ares com a chegada do técnico Adilson Batista, assim como Deivid -ambos voltaram à titularidade no Atlético. Fransérgio, outro prata da casa, também apareceu na estreia do treinador.

Mas o pentacampeão, que ainda não mostrou o futebol que o levou a disputar uma Copa do Mundo, teve um período de estiagem com Geninho, ganhando tempo para tentar recuperar a boa fase.

Humilde, Kléberson assegurou que a medida foi correta. “Eu tava precisando mesmo trabalhar a parte emocional e física. Voltei tranquilo e no jogo com o Cianorte rendi o esperado, fiz o que o Adilson pediu e a cada jogo vou melhorando. Eu vim para o Atlético para ajudar e conseguir títulos e vou trabalhar para isso”, disse.

O mau começo em seu retorno ao Atlético tem, segundo Kléberson, justificativa. Segundo ele, foi pelo período que ficou sem jogar no Flamengo e pela volta aos gramados, pelo Atlético, sem uma preparação adequada.

Mas ele isenta os ex-treinador e diz que a decisão de voltar foi tomada em conjunto com a comissão técnica da época, comandada por Sérgio Soares. “Não tinha feito uma pré-temporada adequada. Eu estava afastado no Flamengo e em uma semana me coloquei à disposição para jogar. Precisava de ritmo e tranquilidade para jogar”, explicou.