Xaropinho ganha chance
de voltar na era Parreira.

Rio de Janeiro – O técnico Carlos Alberto Parreira surpreendeu e anunciou ontem a relação dos 22 jogadores convocados para a seleção brasileira que no dia 18 de fevereiro fará um amistoso contra a Irlanda, em Dublin.

O treinador resolveu mudar os planos e anunciou a lista inteira. A previsão inicial era de que os que atuam no Brasil seriam chamados apenas no dia 10. Dos 22 jogadores, apenas dois atuam no Brasil: o goleiro Marcos ((Palmeiras) e o atacante Luís Fabiano (São Paulo.

A lista trouxe ainda algumas surpresas, como a convocação do ex-são-paulino, Júlio Baptista (Sevilla). Entre as novidades de Parreira estão ainda os nomes de Juninho Paulista, Kléberson e Adriano, da Internazionale de Milão.

Como se esperava, os jogadores de Santos e Cruzeiro cotados para a integrar a lista, ficaram de fora. Os dois clubes têm compromissos pela Copa Libertadores da América.

Parreira decidiu fazer uma espécie de aposta no volante Kléberson, hoje no Manchester United, da Inglaterra. O jogador, que foi uma das maiores supresas da Copa do Mundo de 2002, praticamente não jogou em 2003 e ainda não se firmou no novo clube. “A gente espera reencontrar aquele jogador de 2002”, disse o treinador, na sede da CBF, logo depois de anunciar a lista dos convocados para o amistoso em Dublin.

“Em 2003 ele realmente não conseguiu repetir o mesmo desempenho do ano anterior. Ficou muito tempo esperando a transferência (do Atlético-PR para o clube inglês), um casamento, contusões e por tudo isso ele não conseguiu ter uma temporada regular”, explicou. “O que nós queremos agora é observá-lo, porque sabemos de seu potencial”, disse.

Cara nova

Carlos Alberto Parrreira justificou a convocação do meio-campista Júlio Baptista (Sevilla). “Primeiro eu o conheço desde os tempos em que treinava o Corinthians e a gente enfrentava o São Paulo. Eu sei de seu potencial. Depois, ele esteve com o Ricardo Gomes na Copa Ouro (nos EUA e México) e foi muito bem. Atualmente ele se transformou num dos destaques do seu time. Trata-se de um jogador que alia a força do futebol europeu e o talento do futebol brasileiro. Isso é raro”, justificou.

Sobre a ausência do lateral-direito Mancini (Roma) na lista de jogadores convocados, o treinador explicou que ainda não chegou a vez dele. O jogador vem sendo muito elogiado pelo desempenho no campeonato italiano e estava entre os mais cotados a integrar a lista.

“Não havia nenhum motivo para mudarmos neste setor. Com Cafu (Milan) e Belletti (Villarreal) estamos bem servidos. Eu conheço o Mancini muito bem. Trabalhei com ele no Atlético-Mineiro. No futebol europeu ele cresceu muito e está sendo observado”, garantiu o técnico.