O atacante Alan Kardec admitiu nesta quarta-feira, após participar de treino do Santos no CT Rei Pelé pela manhã, que não irá forçar o Benfica, dono dos seus direitos econômicos, a liberá-lo para um possível segundo jogo da final da Copa Libertadores caso a equipe comandada por Muricy Ramalho passe pelo Corinthians em uma das semifinais da competição.

O contrato de empréstimo de Kardec com o Santos expira no dia 30 de junho e o confronto de volta da decisão da Libertadores está previsto para acontecer em 4 de julho. A diretoria santista já tentou renovar o compromisso por pelo menos mais quatro dias, mas o clube português não aceitou a proposta e só aceita liberar o jogador se o time brasileiro acertar a compra do atleta em definitivo.

Kardec se diz feliz no Santos e garante que gostaria de seguir no clube, mas lembrou que o valor de sua multa contratual é de 30 milhões de euros e salientou que não entrará em conflito com o Benfica caso não seja liberado para a disputa de uma possível participação no segundo jogo da decisão da Libertadores.

“Se eu tiver que dar a minha palavra final, eu prefiro ficar no Santos. Mas, de qualquer forma, não vou brigar com o Benfica. Eu não saí brigado do Benfica e, se eu tiver que voltar, vou voltar, e sei que minha multa contratual é muito alta”, ressaltou o jogador, em entrevista coletiva.

Em meio a este cenário de incerteza sobre Kardec, o Santos tentou negociar a liberação do atacante e o Benfica chegou a aceitar o pagamento de um valor bem inferior aos 30 milhões de euros da multa contratual, mas mesmo assim essa quantia pedida pelo clube português ainda foi considerada muito elevada.

Antes de pensar na final, porém, Kardec está focado nas semifinais diante do Corinthians, em jogos marcados para os dias 13 e 20 de junho, e o atacante mostrou que gostaria de fazer o primeiro duelo diante do rival na Vila Belmiro – o Santos promete anunciar nesta quarta-feira à tarde o local escolhido para o jogo de ida diante dos corintianos, que receberão os santistas no Pacaembu na partida de volta.

“Particularmente, eu prefiro jogar na Vila porque lá é o nosso caldeirão. O Santos tem que ser inteligente, jogar pensando em não tomar gol e fazer o máximo para levar boa vantagem para o Pacaembu”, disse o jogador, ao projetar a semifinal.