Recém promovida do kart à Fórmula Premium Light, a piloto curitibana Kattlyn Marry Magno é símbolo de uma competição criada ano passado no Paraná. Um dos objetivos da categoria, atualmente com disputas organizadas no Autódromo Internacional de Curitiba, em Pinhais, região metropolitana, é se tornar formadora de novos potenciais no automobilismo.

No final de semana será realizada em Pinhais a 5.ª etapa da competição. Uma oportunidade para Kattlyn, única mulher do torneio até o momento, tentar obter seu primeiro pódio na Fórmula Premium Light. Entre oito participantes da categoria esse ano, Kaká Magno, como é conhecida no circuito de corridas de carro, atualmente está na 5.ª colocação.

A primeira corrida de Kaká Magno na Premium Light ocorreu em março desse ano. Foi a oportunidade que a jovem curitibana de 24 anos teve para conhecer um carro com estilo diferente daquele que estava acostumada a correr desde os 16. “Meu primeiro treino (na nova categoria) foi uma semana antes da corrida. Liguei e fui, pois não sabia de nada ainda. Foi na coragem. Terminei a corrida e me senti uma vitoriosa”, conta a piloto, que após parceria com o Atlético, compete oficialmente com apoio do clube.

Um feito para Kaká, que teve pouco tempo para aprender, na prática, a conviver com nova situação no automobilismo. Na atual categoria os carros chegam até 205 quilômetros por hora – cerca de 40 a mais do que no kart que a curitibana pilotava. O manuseio de volantes e marchas é mais duro que aqueles ao qual a jovem estava acostumada. Outra questão foi o tamanho do carro, que modifica o tempo a ser calculado para ultrapassagens e também saídas de curva.

Oportunidade

De acordo com o coordenador da Fórmula Premium Light, Edson Ferreira da Silva, a competição foi idealizada há cinco anos com o intuito de criar uma modalidade de corridas com custo mais acessível que as demais – e assim facilitar o surgimento de novos talentos. Formado em engenharia mecânica, ele projetou a parte de mecânica e aerodinâmica do carro junto de outros preparadores, sendo a parte de chassi desenvolvida com apoio de alunos e professores da escola técnica da Universidade Federal do Paraná.

A partir da utilização de peças de automóvel fabricadas no Brasil e adaptações no motor, Ferreira cita a relação dos preços do carro com outras categorias. O valor de um Fórmula Premium Light, segundo ele, chega a custar cerca de R$ 30 mil, metade do preço de um equivalente. “Por isso, pode ser um primeiro passo do piloto que deseja seguir uma carreira”, disse.

Kaká sonha em chegar na Stock Car

Kaká atualmente é a única mulher da Fórmula Premium Light e também uma das poucas brasileiras no automobilismo. Como passatempo, gosta de assistir qualquer tipo de corridas, e sua primeira participação no kart foi apenas uma forma de lazer. “Comecei a brincar e acabei tomando gosto”, disse. Ela conta que é a única de seu círculo de amizades a gostar de automobilismo. “Uns não têm paciência”, descontrai.

Apesar de viver um cotidiano incomum, já que o automobilismo também faz parte das atividades onde a predominância ainda é masculina, Kaká Magno ambiciona continuar progredindo na carreira, após a promoção do kart para a Premium Light. Seu objetivo é um dia competir na Stock Car, em tempo que ela prefere ainda não calcular. “Estou apenas começando”, conta ela, que inclusive optou por deixar momentaneamente a faculdade de publicidade e propaganda para se dedicar com exclusividade às corridas.