Um pênalti defendido pelo goleiro tricolor definiu o empate em 1 a 1, contra o Sport, na Vila Capanema. O resultado de ontem dificultou a vida paranista, que na partida de volta terá que vencer ou empatar por mais de dois gols de diferença para se classificar. Se a partida terminar empatada em um gol, haverá cobrança de pênaltis. O empate sem gols dá a classificação ao clube pernambucano.

Dentro de campo, o jogo começou fechado no meio de campo, com muita marcação. A zaga do Paraná manteve-se bem posicionada e as oportunidades para as duas equipes foram escassas.

No entanto, aos 5 minutos, Diego Correa conseguiu arrancar pela esquerda. Depois de tocar para Marcelo Toscano, no centro da área, o atacante arremata para o fundo do gol de Magrão e abre o marcador.

Depois do gol paranista, a equipe do Sport foi pra cima. Após muita pressão, uma jogada de escanteio definiu o empate do Leão pernambucano. Aos 25, Eduardo Ramos cobrou escanteio pela esquerda e Toby cabeceou no primeiro pau pra empatar.

Após sofrer o gol de empate, o Tricolor tentou se organizar dentro de campo. Aos 37 a torcida foi a loucura quando Dutra derrubou Jefferson quase em cima da linha da grande área.

Os torcedores queriam pênalti, mas o árbitro Fávio Guerra não apitou nada. Depois do lance, o Tricolor voltou a pressionar os rubro-negros. Mas o placar terminou empatado.

No vestiário, o treinador Marcelo Oliveira passou mensagens motivacionais aos seus comandados. Os jogadores do Sport reclamaram muito das condições do gramado.

Depois de voltar aplaudido pela torcida, o Paraná impôs novamente seu ritmo de jogo. Aos 18, Toby recebeu o cartão vermelho e deixou o Tricolor com um homem a mais na partida.

Com a expulsão, o treinador do Sport tirou um atacante e colocou um zagueiro. Marcelo Oliveira, em contrapartida, tirou o lateral Diego Correa e colocou Pará, um jogador com características mais ofensivas.

Depois de Márcio Diogo cansar, foi a vez de Igor entrar no time com intuito de dar velocidade ao Tricolor e buscar o gol de desempate. No entanto, aos 38, foi o Sport quem teve a grande chance de mudar o marcador. Ciro sobrou sozinho na área, limpou o goleiro e arrematou. Irineu estava na linha e defendeu com as mãos o chute pernambucano e o árbitro marcou pênalti.

Na hora da cobrança, Eduardo Ramos caminhou para a bola. Mas o mesmo gramado que ele havia classificado como “o pior do mundo” o traiu, ele chutou mais o chão que a bola e Juninho defendeu.

Apesar de o Paraná ganhar novo ânimo e tentar novos ataques contra o Sport, não deu. Ainda assim, a torcida aplaudiu os jogadores e xingou muito a arbitragem. Agora, caberá agora ao Tricolor definir o seu futuro na partida de volta, na Ilha do Retiro.