Principal responsável pela classificação do Brasil para as quartas de final da Copa do Mundo, ao defender dois pênaltis no Mineirão no último sábado no duelo com o Chile, Julio Cesar dividiu os méritos pela sua atuação heroica com o restante do grupo da seleção e também com a comissão técnica. De acordo com o goleiro, o respaldo que ele recebeu foi fundamental para que pudesse brilhar em Belo Horizonte.

“Claro que nunca posso deixar de agradecer a comissão técnica por tudo que fez por mim. Me dá tranquilidade para fazer o meu trabalho. O que os companheiros fazem por mim, com seu apoio, carinho e força. Vejo o quanto as pessoas estão torcendo por mim, individualmente, querem que ganhe pelo que aconteceu”, disse o goleiro da seleção.

Tanto apoio levou Julio Cesar a chorar nos momentos que antecederam o início da disputa de pênaltis diante do Chile, após o empate por 1 a 1, no Mineirão. “Sou emotivo, nunca escondi, nunca deixei de ser eu. Chorei porque muitos chegaram e falaram coisas lindas e bacanas. Não consegui me segurar. Sabia que tinha que estar focado. Agradeço a cada um deles que me deu força”, afirmou.

Após falhar na derrota por 2 a 1 para a Holanda na Copa de 2010, o que causou a eliminação do Brasil no torneio, Julio Cesar enfrentou dificuldades nos últimos quatro anos. O goleiro chegou a perder espaço na seleção, deixou a Inter de Milão e perambulou por clubes pouco expressivos, casos do Queens Park Rangers e do Toronto FC.

Julio Cesar, porém, nunca desistiu do sonho de dar a volta por cima pela seleção e conquistar o título mundial, o que definiu, inclusive, como a “última página do seu livro”. “Não é fácil você ser classificado como vilão. É preciso ter controle emocional e psicológico muito grande. Nada é por acaso. Está provado mais uma vez. Se você tem um sonho, corra atrás, não desista nunca”, concluiu.