Principal jogadora do vôlei de praia brasileiro na atualidade, Juliana está fora da seleção e não poderá disputar as principais competições internacionais, como o Circuito Mundial e o Campeonato Mundial. Ela foi cortada nesta sexta-feira pela Confederação Brasileira de Vôlei (CBV), depois de ter feito críticas ao novo modelo implantado na modalidade, no qual as duplas são formadas pela entidade.

Com a criação desse novo modelo no final do ano passado, a CBV convocou um grupo de jogadoras para compor a seleção brasileira – elas passaram a treinar todas juntas e, a partir desse trabalho, foram formadas as duplas. Juliana foi chamada pela entidade, mas não apareceu para os treinamentos no começo de dezembro e acabou sendo dispensada. Logo depois, porém, disse ter sido um “mal-entendido”.

Assim, superado o “mal-entendido”, Juliana foi convocada novamente pela CBV e começou a treinar com o grupo nesta semana, em Saquarema (RJ). Ela já estava escalada para disputar a quarta etapa do Circuito Mundial, o Grand Slam de Haia, de 11 a 16 de junho, na Holanda, junto com Maria Elisa. Mas deu uma entrevista coletiva na quarta-feira em que criticou o projeto e a formação de uma seleção.

Aí, diante disso, Juliana foi cortada nesta sexta-feira. “Entendo que, neste momento, a atleta não está preparada para integrar o grupo neste projeto”, afirmou Marcos Miranda, técnico da seleção feminina de vôlei de praia. Assim, o grupo de jogadoras que representam o Brasil fica com Ágatha, Ângela, Bárbara Seixas, Carolina, Elize, Lili, Maria Clara, Maria Elisa, Rebecca, Taiana e Talita.

Juliana fez história no vôlei de praia sempre jogando ao lado de Larissa, que resolveu seu aposentar no final do no passado. A jogadora de 29 anos tem sete títulos do Circuito Mundial, incluindo os das quatro últimas temporadas, e também venceu a última edição do Campeonato Mundial, disputado em 2011 em Roma. Além disso, conquistou a medalha de bronze na Olimpíada de Londres, no ano passado.