Edinanci vence a francesa
Celine Lebrun e leva bronze.

O ano de 2003 tem tudo para ser inesquecível para o judô brasileiro. Depois de ser a modalidade que mais medalhas de ouro (cinco) deu ao País em Santo Domingo, no Pan, o judô segue confirmando a boa fase com uma excelente performance no primeiro dia de lutas no campeonato mundial da modalidade, competição que vai até domingo, em Osaka, no Japão.

Ontem, no primeiro dia de finais, o Brasil participou de três das quatro categorias em disputa. Em todas, os brasileiros conquistaram o principal objetivo: terminar entre os cinco primeiros e garantir vaga nos Jogos Olímpicos de Atenas. Na pesado masculino, Daniel Hernandes, campeão pan-americano, terminou em quinto lugar. O melhor resultado porém, foram as duas medalhas de bronze, com os campeões pan-americanos Edinanci Silva e Mario Sabino, ambos no meio-pesado.

“Sabíamos que esse era o dia mais promissor para o Brasil no mundial e o excelente resultado confirmou a expectativa”, comemorou o chefe da equipe brasileira, Ney Wilson, lembrando que os cinco primeiros classificados em cada uma das 14 categorias garantem vaga para a categoria nas Olimpíadas, mas o atleta que representará o Brasil será escolhido após seletiva nacional.

Para repetir a façanha do mundial de 1997, em Paris, quando também conquistou o bronze, Edinanci desbancou ninguém menos do que a vice-campeã olímpica e mundial Celine Lebrun, da França. A judoca paraibana só esbarrou na cubana Yurisel Laborde, a quem havia vencido na final do pan. Depois, ficou com o bronze ao ganhar por ippon da holandesa Claudia Zwiers.

O algoz de Mario Sabino na busca pelo ouro também foi o adversário derrotado na decisão em Santo Domingo, o canadense Nicholas Gill, que foi à forra com vitória sobre Sabino no golden score (o golpe fatal na prorrogação).

Daniel Hernandes, por sua vez, venceu por ippon o campeão mundial de 2001, o alemão Frank Moeller, em sua segunda luta no dia. No combate que valia vaga na disputa do ouro, porém, Daniel foi derrotado a 11s do fim por um velho conhecido: o holandês Denis Van der Guest, que participou de treinamentos no Brasil. Na luta pelo bronze, em seguida, Daniel esbarrou no russo Tamerian Timenov.

“A medalha estava muito perto mas vacilei. Estava vencendo por um koka faltando 11s para o fim e tinha a luta na mão. Mas bobeei. Entrei logo em seguida para disputar o bronze e comecei mal. Quando já me sentia mais à vontade e arriscava golpes, tomei um ippon”, lamentou Daniel Hernandes, que volta a competir no dia 14 na categoria absoluto.

O Brasil voltou ao tatame ontem à noite (horário de Brasília) com os judocas das categorias médio e meio-médio. Na médio, Cristina Sebastião enfrenta a bielo-russa Svi Tsimashenk; enquanto Carlos Honorato mede forças com Panzic Hrzoja, da Croácia. Na meio-médio, Vania Ishii luta contra a portuguesa Andrea Cavalieri; e Flávio Canto enfrenta Mauricio Mora, do Chile.