Alemanha e México entram em campo nesta quinta-feira às 15 horas (de Brasília), no estádio Olímpico, em Sochi, na Rússia, para decidir uma vaga na final da Copa das Confederações. De um lado, a renovada geração alemã, que luta manter a rotina de títulos do país. Do outro, os mais experientes mexicanos, que, por sua vez, tentam levar a seleção a uma rara final intercontinental.

Os jovens alemães carregam nas costas o peso de manter o sucesso recente do país. Afinal, representam as cores dos atuais campeões do mundo e da seleção que é considerada a mais talentosa do futebol na atualidade. Muitos deles, aliás, lutam pelo primeiro título internacional.

Mas substituir nomes como Lahm, Klose e Schweinsteiger, que já anunciaram a aposentadoria da seleção após a Copa do Mundo de 2014, no Brasil, não é fácil e a seleção que está na Rússia vem aprendendo a conviver com as críticas da imprensa nacional, que não se convenceu com a participação da equipe na primeira fase da Copa das Confederações.

Com uma campanha de duas vitórias, contra Austrália e Camarões, e um empate, diante do Chile, a Alemanha não rendeu o esperado. Apesar de mostrar o bom toque de bola da escola do país em alguns momentos, encontrou dificuldades em todas as partidas, principalmente defensivas.

O técnico Joachim Löw também se preocupa com isso e admitiu fazer mudanças na escalação, já que classificou o México como “uma equipe que ataca demais”. Os poucos nomes certos na equipe são os mais experientes, como o goleiro Ter Stegen, o polivalente Kimmich e o meia Draxler. Sobre este último, aliás, o treinador não poupou elogios.

“O jeito como ele (Draxler) está comandando este jovem time é muito bom. Ele está se transformando em uma personalidade que se coloca em posição de assumir responsabilidades. Ele está tomando conta de jogadores mais jovens e tentando integrá-los no time”, disse Joachim Löw nesta quarta-feira.

Mas mesmo com esta seleção renovada, a Alemanha entra em campo com todo o favoritismo nesta quinta-feira. Afinal, terá pela frente o México, que além de possuir um histórico bem menos vitorioso, também enfrenta dúvidas da imprensa e da torcida sobre a equipe.

O país chega para a semifinal após um empate (por 2 a 2 contra Portugal) e duas vitórias (ambas por 2 a 1, contra Nova Zelândia e Rússia) na primeira fase. Nas três partidas, o México apresentou muitos erros defensivos e saiu atrás no placar em todas elas. O técnico colombiano Juan Carlos Osorio, ex-São Paulo, vem sendo bastante questionado pela imprensa local.

Quem avançar nesta quinta-feira vai encarar na decisão o Chile, que eliminou Portugal na primeira semifinal na quarta, nos pênaltis, após empate por 0 a 0 no tempo normal e na prorrogação. A decisão da Copa das Confederações está marcada para o domingo, às 15 horas (de Brasília), em São Petersburgo.