A festa do título corintiano neste domingo, no Pacaembu, foi manchada por uma briga que tomou conta do gramado depois que Jorge Henrique tentou o drible do ‘chute no ar’, jogada característica do palmeirense Valdivia. Os adversários não gostaram nada da brincadeira, realizada na lateral do campo e só quando o jogo já estava praticamente decidido. Por conta do empurra-empurra, João Vitor (que marcava o atacante no lance) e Leandro Castan foram expulsos.

Mesmo comemorando o título após o apito final, Jorge Henrique não deixou de provocar Valdivia, lembrando que o chileno deu o mesmo drible no clássico do primeiro turno, realizado em Presidente Prudente, no interior de São Paulo. “Eu só retribuí. Teve em Prudente, eu só retribui o carinho que ele teve com a gente. Só o carinho, só”, ironizou.

Provocativo, Jorge Henrique virou alvo dos palmeirenses durante a briga. Depois de falar algo para Luan, levou um chute do atacante do Palmeiras, na frente de um dos bandeirinhas, que tentou apartar. Nenhum dos dois foi expulso. Como Tite ainda tinha uma substituição a fazer, tirou Jorge Henrique para a entrada de Moradei.

Leandro Castan, único corintiano expulso pela briga, achou que o vermelho para ele foi injusto. “Acharam que eu queria agredir alguém. Não foi isso, só queria apartar.” O zagueiro também ironizou o adversário: “Parabéns ao Palmeiras, queria atrapalhar nossa festa e não conseguiu”.

Um dos poucos a falar do jogo foi o zagueiro Paulo André, que viu a partida do banco de reservas. “O perigo maior era a bola parada. Jogando eles não tiveram grandes chances. Eles têm um estilo parecido com o nosso, de força, e a gente não conseguiu se desvencilhar para jogar bem. Por isso o resultado de 0 a 0”, justificou.