O Sapesp (Sindicato dos Atletas Profissionais de São Paulo) anunciou nesta sexta-feira que chegou a um acordo coletivo com jogadores de Palmeiras, Santos e Corinthians na luta contra a violência praticada por torcedores contra atletas. Se casos como o da agressão ao palmeirense João Vitor se repetirem, os jogadores das três equipes se recusarão a entrar em campo na rodada seguinte. O sindicato aguarda uma posição dos atletas do São Paulo, que também foram convidados a entrar no acordo coletivo.

De acordo com o sindicato, a medida foi tomada em comum acordo por jogadores de Santos (representados por Arouca e Edu Dracena), Palmeiras (todo o elenco) e Corinthians (representados por Paulo André e Alessandro). Nenhum dos três times entrará em campo, independente da competição, em caso de agressão a um atleta de qualquer um desses clubes.

Sindicato e clubes agora aguardam a posição do São Paulo. O capitão da equipe, Rogério Ceni, já está ciente da decisão, de acordo com a Sapesp. Ele teria se comprometido a conversar com o elenco tricolor e dar um posição ao sindicato, que espera contar ainda com o apoio de outros clubes paulistas, além de sindicatos de outros estados.

No encontro, os atletas de Palmeiras, Santos e Corinthians também discutiram a possibilidade de fazerem uma manifestação conjunta para pedir uma pré-temporada maior do que a atual, com pelo menos 20 dias de preparação.