Orlando Kissner
Borges, interesse internacional.

O bom futebol do Paraná Clube – invicto há seis rodadas – já desperta a cobiça de empresários e ?olheiros?. Diariamente, a diretoria convive com consultas e assédios a seus principais jogadores. Para o presidente José Carlos de Miranda, nada mais é do que o ?ônus do sucesso?. Entre um telefonema e outro, o dirigente trata de descartar sondagens e garante que até o momento nenhuma proposta oficial chegou ao clube.

?Nossa meta é segurar todos os titulares até término do Brasileiro. Mas, isso só é possível até o limite da lei?, comentou. Miranda tem evitado ao máximo o assunto. ?Fizemos contratos bem amarrados e com multas rescisórias significativas. Mas, hoje, nosso pensamento está voltado para a manutenção deste grupo, que tem tudo para se manter numa posição de destaque até o final da competição?, disse o presidente paranista.

Não apenas Borges – que é jogador de uma parceria entre Paraná, LA Sports e o empresário Márcio Rivellino – está sendo sondado por empresários. ?A cada instante surgem perguntas sobre o Thiago Neves e o André Dias. Hoje, sei que todos os nossos jogadores estão valorizados?, afirmou Miranda. O valor da multa rescisória de Borges não foi revelado pelo dirigente. ?Só posso dizer que no papel não chegou proposta alguma. E espero que isso só ocorra em dezembro.?

O presidente sabe que será impossível segurar todo o grupo para a temporada 2006, mas não esconde o objetivo de evitar os costumeiros ?desmanches? que ocorrem no clube ano a ano. ?O ideal é a manutenção de uma base, mas nem sempre isso é possível. Acredito, porém, que amadurecemos muito nas últimas temporadas?, disse Miranda. Sob o comando do diretor de futebol Durval Lara Ribeiro, jogadores da Série B já estão sendo ?monitorados? e eventuais reforços listados por Will Rodrigues, como vem sendo feito nos últimos anos, com maior intensidade na montagem do atual elenco.

?Mesmo sendo o clube com a menor cota de tevê, encontramos soluções paliativas – como a venda de jogos para a cidade de Maringá – que estão nos permitindo pagar as contas em dia?, disse o presidente. Ao longo de sua gestão, o Paraná já pagou aproximadamente R$ 1,8 milhão em ações que tramitavam na Justiça do Trabalho. ?Muitas vezes somos taxados de amadores. Mas, posso garantir que meus vice-presidentes estão fazendo um trabalho muito eficiente nos bastidores, saneando a economia do clube. E o reflexo disso tudo vem nos números da ótima campanha do time.?

Retrospecto faz Tricolor sonhar com a liderança

O Paraná Clube não venceu o Santos, mas o empate em Maringá valeu a manutenção da terceira colocação, numa campanha muito equilibrada -e, para muitos, surpreendente. Na quinta-feira, um resultado positivo diante do Flamengo, combinado a tropeços de Corinthians e Ponte Preta, pode colocar o Tricolor na liderança do Campeonato Brasileiro. Com sua força máxima, o time de Lori Sandri vai ao Rio de Janeiro disposto a defender um histórico invejável diante do rubro-negro carioca.

Dentre os 22 integrantes da Série A, é frente ao Flamengo que o Paraná apresenta números expressivos.

Em 12 jogos disputados em campeonatos nacionais, são 9 vitórias, um empate e somente duas derrotas. ?Vamos em busca do resultado que nos garanta uma posição confortável na tabela?, comentou o volante Rafael Muçamba, destaque do time no empate (1×1) frente ao Peixe. ?Será um jogo difícil, pois o Flamengo está à beira da zona de rebaixamento e sob pressão?, acredita do jogador.

São 13 pontos de vantagem sobre o próximo adversário, o que confere ao Paraná um certo favoritismo. ?A boa campanha nos trouxe projeção e isso se transforma em respeito. Porém, as dificuldades aumentam, pois também somos mais vigiados?, lembrou Borges. Frente ao Peixe, foi assim.

O atacante – que se mantém como o principal artilheiro do Brasil (11 gols), ao lado de Róbson, do Paysandu – sofreu com a marcação precisa de Ávalos e Halisson. ?Vai ser assim daqui por diante?, reconhece o jogador.