João Batista Beltrame, mais conhecido como Joba, professor há 34 anos e que na área política foi prefeito de Iguaraçu, vereador em Maringá e secretário de Meio Ambiente e Turismo de Apucarana e primeiro suplente de deputado federal, hoje é reconhecido como um dos responsáveis pela boa campanha do Adap Galo no campeonato paranaense.

A função de Joba é manter o time motivado e concentrado na competição. ?Este trabalho motivacional começou em 2006. Sou apaixonado por futebol. Tenho orgulho de ter visto o Grêmio ser campeão em 1977. Eu estava em Curitiba acompanhando aquele gol do Itamar. Esta paixão me fez aceitar o convite do Adilson (Batista Prado, presidente executivo do Adap Galo Maringá), que junto com o Luizão (Luiz Chanceller, gerente de futebol do Adap Galo) me convenceram a desenvolver este trabalho com os jogadores. Eu participava de palestras de motivação em igrejas, colégios e eles queriam, obviamente, buscar uma diferenciação na preparação dos atletas. Houve uma empatia com os jogadores e com os profissionais da comissão técnica e felizmente continuamos com o time?, analisou Joba.

Para mexer com o psicológico e motivacional dos jogadores, não basta o time estar apenas conquistando resultados positivos, na avaliação de Joba. ?Mesmo os jogadores bem tecnicamente e fisicamente, mas, por questões humanas, alguns ficam mais ansiosos ou a auto-estima fica em baixa. Aí a gente trabalha o motivacional, o espiritual e o psicológico. Eu uso princípios da psicologia comportamental, parapsicologia, cantoterapia. É verdade! Eu canto com os jogadores. Tudo isso em vista de uma programação mental e positiva e os atletas absorvem esses pontos como momentos importantes, não apenas profissionais, mas pessoais também?.

Para Joba, entretanto, o motivacional não é o principal responsável pela campanha do Adap Galo no estadual. ?É claro que a harmonia entre os jogadores e profissionais da comissão técnica, o plano tático do técnico Itamar e o futebol apresentado pelos jogadores são questões fundamentais para o sucesso que estamos passando. O trabalho motivacional não é o grande responsável pela desenvoltura dos jogadores em campo, mas acredito que colabora, sim.?

Sem o aval da diretoria e comissão técnica, Joba diz que seria impossível mexer no motivacional dos jogadores. ?Tenho de fazer elogios aos dirigentes – Marcos Falleiro, Adilson, Luizão e Zinho; ao Itamar Bernardes, que conduz com firmeza e paixão o time; Dirceu de Mattos, Richard Malka, um dos mais competentes do futebol paranaense. Aliás, agradecer a toda a comissão técnica, que acreditou no meu trabalho. Um trabalho que, pra mim, é um diferencial, mas na verdade, o que vale mesmo é o planejamento para a temporada e a estrutura que se dá aos jogadores. Hoje, isso existe no Adap Galo: uma grande estrutura com essa fusão que se concretizou e que, com certeza, será bem sucedida?, acrescentou.

A confiança no potencial do elenco demonstra que o próprio Joba acabou motivado pelo futebol apresentado pelo time no paranaense. ?Hoje a gente tem um time para ser campeão. Tenho certeza que vamos fazer um belíssimo papel no Paranaense. Para tanto, precisamos continuar sendo um time com atitude. O torcedor apóia um time que perde, mas que tem atitude em campo. Isso se comprovou na partida contra o Noroeste. Por isso, tenho certeza que teremos um time vencedor?, finalizou.