A irmã mais nova do atacante da seleção brasileira Hulk, Angélica Aparecida Vieira, que diz ter sido vítima de um suposto sequestro em Campinha Grande na segunda-feira, retornou à sua residência hoje, segundo informaram fontes policiais.

A jovem de 22 anos, que segundo a polícia foi retirada à força de seu automóvel por dois homens armados quando estava parada em frente a um restaurante na tarde de segunda-feira, foi vista entrando em sua residência, na tarde desta terça, por jornalistas que aguardavam informações sobre o caso.

A família do atacante da seleção brasileira e atual jogador do Zenit confirmou que a jovem está em casa, mas não esclareceu como a vítima foi libertada.

Pela segurança da jovem, os parentes negaram desde o começo que se tratava de um sequestro, mas a polícia confirmou que está investigando o possível crime.

Segundo versões da imprensa, a estudante de nutrição diz ter escapado de um cativeiro nos arredores de Campina Grande e ter sido socorrida por um motorista que passava no local e que deu uma carona até sua casa.

A polícia informou que desconhece as circunstâncias nas quais a jovem conseguiu fugir.

O chefe da delegacia regional da Polícia Civil em Campina Grande, Marcos Vilela, assegurou que foi informado pela família sobre a reaparição da vítima e que continuará com as investigações para identificar e capturar os autores do crime.

 

Ex-jogador do Porto, o atacante Givanildo Vieira de Souza, mais conhecido como Hulk, foi transferido ao Zenit em setembro em uma das transações mais caras do futebol russo (60 milhões de euros).

 

Hulk, nascido em Campina Grande há 26 anos, foi titular nos últimas partidas da seleção brasileira e foi medalha de prata nos Jogos Olímpicos de Londres 2012.

Outros jogadores brasileiros que fizeram sucesso fora do país, como Robinho, Romário, Luís Fabiano e Grafite, também sofreram com sequestro de parentes no Brasil.