O jogo de ontem foi duro de assistir.

Os torcedores que estiveram ontem no estádio Emílio Gomes viram uma das partidas mais fracas do paranaense, com Iraty e Paraná empatando em 0x0. Foi mais uma prova da dificuldade enfrentada pelo Tricolor (que segue sem vitória na competição e com apenas um ponto em três jogos, sem marcar um gol sequer), que não conseguiu impor seu jogo ante um adversário que respeitou demais a camisa paranista.

Em uma tarde quente, o Paraná entrou em campo para conseguir a primeira vitória e evitar a crise. Do lado do Iraty, o objetivo era vencer mais um da capital e, com isso, praticamente assegurar-se entre os três primeiros da Chave Sul.

Até por jogar em casa, o Iraty iniciou a partida buscando o ataque. Apesar de não ter jogador de referência, o time da casa tentava as bolas alçadas à área, facilitando o trabalho de Gélson Baresi e Fernando Lombardi. As melhores possibilidades tricolores saíam dos pés de Jean Carlo, que era perseguido pelos marcadores e sofria várias faltas. O primeiro arremate a gol foi do Azulão, com Adriano, aos 10 minutos, mas Flávio não teve dificuldade em defender.

O problema do Paraná era o mesmo dos jogos anteriores: faltava a armação do meio-campo. Com Jean Carlo marcado por Russo, a transição entre defesa e ataque ficava capenga e, desta forma, o Iraty dominava as ações intermediárias. Só que a estratégia ofensiva dos donos da casa era errada e isso fazia com que o jogo ficasse extremamente centralizado e monótono. Faltava ousadia dos dois lados. A oportunidade mais clara do primeiro tempo aconteceu aos 37 minutos, quando André Luís perdeu chance na frente de Flávio.

Na volta do intervalo, Saulo de Freitas (irritado com sua produção ofensiva) tirou Alcir e Ednaldo para as entradas de Erivélton e Vandinho. E logo aos dois minutos Everton sofreu falta de Nelinho dentro da área, mas Héber Roberto Lopes não marcou a penalidade. Era um Paraná mais ofensivo, forçando o Iraty a ficar no seu campo e assumindo o controle tático da partida.

Só que ainda era pouco para conseguir o gol. Do outro lado também não se via motivação para partir para o ataque – o Azulão, surpreendentemente, respeitava o Tricolor dentro de seus próprios domínios. Apenas com a proximidade do final do jogo os dois times começaram a atacar mais. Mas a vontade não foi suficiente. A partida acabou como começou e deixando mais dúvidas que certezas quanto ao futuro do Paraná Clube. A próxima partida tricolor é contra o Malutrom, neste sábado, no Pinheirão e o Iraty enfrenta o Beltrão, domingo, no Anilado.

Hora de chamar a cavalaria

Os jogadores já não têm mais o que explicar. Após a terceira partida sem vitória, o Tricolor segue entre os times mais fracos e precisa desesperadamente de uma vitória contra o Malutrom, sábado, às 16h, no Pinheirão.

O zagueiro Gélson Baresi foi o mais sincero. “Acho que a gente ainda não conseguiu perceber que é preciso manter a bola sob nosso controle. Precisamos aprender, e logo, a gostar de ficar com a bola nos pés. A gente não mantém o domínio do jogo”, disse. Para outro jogador experiente, o meia Jean Carlo, o Paraná não soube se impor. “Nós estamos em um time grande, temos que mostrar isso em campo”, resumiu.

Para o técnico Saulo de Freitas, o time ao menos demonstrou vontade. “Ninguém desistiu, o time foi muito vibrante”, comentou. Mas o Paraná não teve criatividade – e nem ele pôde esconder. “Se a gente fizer uma avaliação do jogo, o goleiro deles não fez uma defesa sequer. Assim fica muito complicado”, confessou.

Reforços?

A diretoria confirmou após o jogo que virão reforços. “Nós temos seis nomes, todos eles de qualidade e pretendemos trazer alguns deles até a próxima segunda-feira”, disse o diretor Durval Lara Ribeiro, sem no entanto citar nomes. “Posso garantir que o time não terá jogadores que ficarão cinco meses até entrarem em forma. Não adianta trazer por trazer”, completou. Ao dizer isso, Ribeiro acabou também criticando os jogadores que vieram no início do ano. “Quem viu o jogo percebeu que os melhores do time foram os nossos juniores”, afirmou. Ao saber que os tais seis podem vir, Saulo se animou. “A diretoria sabe o que é preciso e eu defendo o trabalho deles. Mas precisamos melhorar o quanto antes”, finalizou.

CAMPEONATO PARANAENSE

1ª FASE – 3ª RODADA
Local: Emílio Gomes (Irati)
Árbitro: Héber Roberto Lopes (FIFA)
Assistentes: Gílson Bento Coutinho e Júlio César de Souza
Cartões amarelos: Russo, Cláudio, Fernando Mello (IRA); Jean Carlo (PR)

IRATY 0X0 PARANÁ CLUBE

IRATY: Marco Antônio, Cláudio, Sandro, Nelinho, Careca, Russo, André Luís, Nílson (Anderson), Chimba (Cahuê, depois F. Mello) Adriano, Assis. Técnico: Paulo Campos

PARANÁ:

Flávio, Alcir (Erivélton), Gélson Baresi, Fernando Lombardi, Marcos Lucas, João Vítor, Everton Cesar, Jean Carlo, Everton (Cacau), Alex, Ednaldo (Vandinho). Técnico: Saulo de Freitas