São Paulo – O impasse na definição do adversário de Henrique Guimarães na seletiva olímpica que vai apontar o representante brasileiro dos meio-médios nos Jogos de Atenas tem data definida para acabar. Hoje, durante a apresentação do planejamento da Confederação Brasileira de Judô (CBJ) para o quadriênio 2004/2008, o presidente da entidade, Paulo Vanderley, informou que no dia 2 de fevereiro, o mandato encaminhando pelo Pinheiros ao Superior Tribunal de Justiça Desportiva (STJD) será julgado.

Na primeira das três seletivas que estabeleceria o desafiante de Guimarães pela vaga olímpica, João Derly (Sogipa) competiu na categoria ligeiro. Sob orientação da CBJ, o judoca mudou de categoria e participou das duas etapas seguintes entre os meio-médios, obtendo a vaga. Mas o clube Pinheiros acionou o STJD protestando contra o fato de Derly ter somando os pontos obtidos como ligeiro na contagem, o que teria prejudicado Leandro Cunha e Reinaldo Santos, que também eram candidatos à vaga.

Além de informar a data do julgamento, Vanderley também anunciou o dia das lutas entre Guimarães e seu adversário na seletiva olímpica: a primeira luta será em 13 de março, a outra em 3 de abril e a terceira, se necessária, também em abril, em data a ser definida. “Agora que o caso está no STJD, o resultado fugiu das nossas mãos. Não dá para prever o que vai acontecer”, disse Vanderley. “Mas, enquanto isso, todos os quatro judocas receberão o mesmo tratamento.”

Cunha e Santos torcem para que a questão seja resolvida no tatame. “Acho que seria mais justo”, diz Cunha, que garante estar tranqüilo com a situação. “Nem cogito de não acontecer esta luta, senão não consigo treinar”, declara Santos. Derly é um pouco mais comedido. “Essa é uma decisão que não compete a mim.” O trio, no entanto, diz que a rivalidade fica para o tribunal e os tatames. “Lutamos uns contra os outros desde a categoria pré-mirim e um vai comer churrasco na casa do outro. No judô a gente aprende a viver como uma família”, completa Santos.