Já na capital baiana para a partida de sábado contra a Costa Rica, pelas quartas de final da Copa, a Holanda realizou um treino fechado no fim da tarde desta quinta-feira no Estádio de Pituaçu, também em Salvador. Um forte esquema policial foi montado para não permitir que os jornalistas chegassem perto da atividade, que não foi aberta à imprensa nem mesmo por 15 minutos, como fez, por exemplo, a seleção brasileira em Fortaleza, nesta tarde.

Craque da seleção holandesa no Mundial até aqui, autor de quatro gols e decisivo para colocar a equipe nas quartas de final, Robben trabalhou na academia do hotel onde a delegação está hospedada em Salvador antes de ir para o treino em Pituaçu. A Holanda chegou à Bahia no início da tarde, vinda do Rio.

A partida contra a Costa Rica será a segunda que os holandeses farão na Arena Fonte Nova. Também em Salvador, a Holanda estreou na Copa do Mundo diante da Espanha, quando conseguiu uma surpreendente vitória por 5 a 1 na reedição da final do último Mundial.

Para o jogo diante da Costa Rica, a dúvida do técnico Louis van Gaal é o substituto do volante De Jong, fora da Copa por causa do rompimento da musculatura da virilha na última partida, a vitória por 2 a 1 contra o México pelas oitavas de final. As principais opções do técnico são o volante Jonathan de Guzman e o zagueiro Bruno Martins Indi.

Se optar por De Guzman, titular nas duas primeiras partidas do Mundial e desde então fora do time, inicialmente suspenso por ter recebido dois cartões amarelo, Van Gaal manterá o esquema 4-3-1-2, empregado no início do jogo com o México.

Se Martins Indi for o escolhido, o técnico terá preferido o sistema de sucesso empregado no início da Copa, com três zagueiros, dois laterais e dois volantes, formando uma espécie de ferrolho para liberar as investidas do meia ofensivo Wesley Sneidjer e dos atacantes Arjen Robben e Robin Van Persie.