FHC ao centro, heróis mostram a taça.

A seleção brasileira masculina de vôlei, que sagrou-se campeã do mundo com a vitória por 3 a 2 sobre a Rússia na noite de domingo, em Buenos Aires, foi recebida ontem, no fim da tarde, pelo presidente Fernando Henrique Cardoso. A equipe chegou a Brasília por volta das 16h, e meia hora depois estava no Palácio do Planalto. Numa cerimônia simples e rápida, que em nada lembrou a recepção dada à seleção de futebol pentacampeã do mundo, FHC entregou aos jogadores, ao técnico Bernadinho Rezende e ao presidente da Confederação Brasileira de Vôlei, Ari Graça Filho, a Medalha de Honra ao Mérito Desportivo.

Brasília (AE) – O capitão Nalbert fez um breve discurso em nome dos jogadores. “Há cerca de dois meses estivemos aqui por causa do vice-campeonato na Liga Mundial e prometemos que voltaríamos com uma resultado diferente. Estamos aqui para dizer que conseguimos cumprir a nossa promessa”, disse ele.

FHC também falou aos jogadores. Ressaltou o fato de o Brasil estar, segundo ele, evoluindo em todos os esportes e lembrou os títulos de Robert Scheidt (iatismo), Daniele Hipólyto (ginástica), Acelino “Popó” Freitas (boxe) e o penta. “Ao entregar esta medalha não estou apenas cumprindo uma formalidade, mas expressando um sentimento. Um sentimento que não é só meu, mas de todos os brasileiros”, disse o presidente. “Eu admiro vocês. Vocês são grandes”, acrescentou.

Além do presidente, participaram da cerimônia o ministro do Esporte e Turismo, Caio Carvalho, o secretário nacional de Esportes, Lars Grael, e os ministros Euclides Scalco e Pedro Parente, chefes da Secretaria Geral e da Casa Civil da Presidência da República, respectivamente.

Depois de Brasília, os campeões mundiais seguiriam para o Rio de Janeiro, onde aconteceria o desfile dos campeões mundiais em carro aberto. Alegando cansaço, os jogadores pediram para retornar às suas cidades de origem.

Campanha garante autoridade ao título

Para alcançar o título mundial, os brasileiros jogaram nove vezes, perdendo apenas uma partida no Mundial disputado na Argentina. Os meninos de Bernardinho deixaram pelo caminho a tricampeã Itália e a campeã olímpica Iugoslávia.

A única derrota brasileira no torneio for para os EUA (2×3). Jogando em Córdoba, os brasileiros terminaram a primeira fase na segunda posição do grupo E. A estréia foi com uma vitória sobre a Venezuela por 3 sets a 0. Depois aconteceu a derrota e no encerramento da fase os futuros campeões eliminaram o Egito com um 3 a 0 no último compromisso na fase.

No grupo J da segunda fase, em Santa Fé, o Brasil iniciou teve um desempenho arrasador, com vitórias por 3 a 0 sobre República Tcheca, França e Holanda, garantindo passagem à fase de mata-mata das quartas-de-final. Logo de cara, o Brasil não se abalou e bateu a Itália por 3 a 2. Na semifinal, outra pedreira, a Iugoslávia. Mas os brasileiros passaram com autoridade, marcando 3 a 1. Na finalíssima, domingo, a Rússia não resistiu, caindo por 3 a 2 e valorizando ainda mais o título do Brasil.

“(Contra a Rússia) Foi uma final difícil, como imaginávamos. Na verdade, foram três finais ? primeiro contra a Itália, depois contra a Iugoslávia e agora contra a Rússia. Está comprovado que somos o melhor time do mundo e trabalhamos para isso”, afirmou Henrique.