Após assegurar o tricampeonato com três corridas de antecedência, Lewis Hamilton não quer nem saber em ajudar o companheiro Nico Rosberg a terminar em segundo lugar no Mundial de Pilotos da Fórmula 1. O inglês quer seguir vencendo, de olho no recorde de vitórias em uma mesma temporada. Ele alcançará a marca de 13 triunfos, de Sebastian Vettel, se vencer as etapas restantes do campeonato.

“Estou aqui para vencer a corrida”, afirmou o piloto da Mercedes, na Cidade do México, às vésperas do GP local, a ser disputado no domingo. “A equipe já venceu o Mundial de Construtores. Então, daqui para frente, não seria de grande benefício para o time se eu começasse a ajudar [meu companheiro]. Mas vamos ver o que eles querem.”

Rosberg ocupa no momento a terceira colocação do Mundial, atrás de Vettel, da Ferrari. Apenas quatro pontos separam os dois pilotos na classificação. O piloto da Mercedes desperdiçou grande chance de reassumir a vice-liderança no domingo, no GP dos Estados Unidos, ao cometer erro crasso quando liderava nas voltas finais. Hamilton herdou a vitória.

Ao fim da prova, o clima entre os dois pilotos era tenso. Antes de subir ao pódio, Hamilton jogou para Rosberg o boné do patrocinador que eles devem usar na cerimônia de premiação. O alemão se mostrou irritado e jogou de volta, quase acertando o rosto do inglês.

Quatro dias depois do ligeiro atrito, Hamilton disse que a dupla ainda não conversou. “Não conversamos e nem acho que precisamos”, declarou o piloto, ao minimizar o episódio. No entanto, se colocou à disposição do chefe de equipe, Toto Wolff. “Sou muito fácil de lidar. Se o Toto quiser, posso sentar com o Nico para conversar e aliviar qualquer tensão que possa existir no nosso time.”