São Paulo – Considerado o maior símbolo da natação brasileira em Jogos Olímpicos, Gustavo Borges anunciou, ontem, que dificilmente vai participar de provas individuais das Olimpíadas de Atenas, apesar de ser o único representante do País a ter o “índice A” para os 100m. A decisão foi tomada após o fraco desempenho na final da prova no Troféu Brasil, onde ficou em quinto lugar. Sua despedida olímpica será feita no revezamento 4x100m.

“Tudo tem sua hora e chegou o meu momento de parar”, afirmou Gustavo Borges, que se despediu de competições nacionais ontem. “Não é uma despedida triste porque foi planejada e esperada. Estou muito satisfeito em ver que a natação brasileira tem hoje uma geração de atletas talentosos e em breve podemos não mais depender de um ou dois talentos excepcionais, mas teremos um grupo forte”, completou o atleta, de 31 anos (fará 32 em dezembro), ganhador de três medalhas olímpicas: prata nos 100m livre nos Jogos de Barcelona (92) e prata (200m livre) e bronze (100m livre) em Atlanta (96).

Borges disse que ainda vai analisar com seu técnico e com o supervisor técnico da Confederação Brasileira de Desportos Aquáticos (CBDA), Ricardo de Moura, sobre a possibilidade de não nadar os 100m livre em Atenas.

“Quero competir com condições de chegar às finais e não sei se isso será possível. Não quero participar como figurante. Já fui ao pódio em três Jogos Olímpicos e não quero encerrar minha participação sem condições de disputar a medalha”, avisou.

“Prefiro me concentrar onde tenho chances de um bom resultado. O revezamento hoje ainda está médio em relação à realidade mundial, até porque esta foi uma competição de clubes e todos estavam cansados depois de nadar muitas provas para marcar pontos. Esta equipe ainda pode melhorar muito e temos condições de pegar uma final”, avaliou Borges, que foi homenageado pela CBDA ontem, antes das finais dos 100m. Os demais representantes do revezamento 4x100m são: Carlos Jayme, Jáder Souza e Rodrigo Rocha Castro.

Nas finais de ontem, ninguém conseguiu atingir o “índice A”, de 49s66 – Gustavo Borges ultrapassou a marca no Troféu Brasil do ano passado, ao ganhar com 49s63. O argentino Jose Meolans, do Pinheiros, ganhou o ouro nos 100m ao fazer 50s, seguido por Jáder Souza (50s38) e Marco Antônio Sapucaia (50s39). Borges foi o quinto com 50s66.

A CBDA tem direito a levar um atleta com “índice B” para a Olimpíada nos 100m. O mais provável é que Jader Souza fique com a vaga e talvez seja o único brasileiro na prova, caso Gustavo Borges realmente desista de nadar na competição individual de Atenas.