Paris – Roland Garros faz um bem incrível para Gustavo Kuerten. Mesmo longe de suas melhores condições físicas e ainda sofrendo com dores no quadril, conseguiu uma vitória arrasadora na segunda rodada do torneio.

Ganhou do belga Gilles Elseneer por 3 a 0, parciais convincentes de 6/2, 6/0 e 6/3. Agora, vem o grande desafio: enfrenta o número 1 do mundo, o suíço Roger Federer, em partida programada para amanhã.

“Sabia que depois de enfrentar na primeira rodada àquele maluco (Nicolas Almagro), que batia todas as bolas, iria me sentir mais confortável e confiante em quadra”, revelou Guga. “Já posso dizer que estou muito feliz em vencer dois jogos, mas agora vem um desafio e tanto e estou extramotivado para jogar com Federer.”

Para desafiar o suíço, Guga cumpriu seu plano. Num dia de sol forte e calor em Paris, não precisou se desgastar tanto para vencer Elseneer, como foi obrigado nos cinco sets da estréia com Almagro. Desde o início da partida, o brasileiro procurou se impor, usando como tática atacar sempre, bater forte na bola até atingir seu objetivo de vencer em jogo rápido.

Como no Maracanã

Em pouco mais de 1h20, Guga fez a festa da torcida na quadra dois de Roland Garros. Com pouco mais de 1,5 mil lugares, já era mesmo de se esperar que torcedores ficariam apertados nas arquibancadas e as filas para a partida do brasileiro começaram uma hora antes da partida.

O clima era de um jogo de futebol, especialmente pelo atual apelo da camisa de Guga. Ele está usando um novo uniforme da Head nas cores vermelho e preto. Parece que a semelhança atraiu a torcida carioca rubro-negra, com vários torcedores com a camisa do Flamengo. Para Guga, as novas cores ajudaram.

“Sempre simpatizei muito com o Flamengo, embora sempre me mantenha fiel ao Avaí (seu time de coração)”, avisou Guga. “Mas foi bem legal, ouvir a torcida cantar o hino do Flamengo e “Poeira”. Deu sorte.” A Head, segundo um de seus diretores que está em Paris, Markus Haemmerle, não pensou em fazer qualquer relação com o time de futebol brasileiro, mas está feliz com o resultado da coincidência.

Para Guga, qualquer ajuda é bem-vinda, ainda mais agora que vai desafiar o número 1 do mundo. Os dois já se enfrentaram por duas vezes, com uma vitória para cada um. Ambos os jogos foram depois de o brasileiro ter passado pela cirurgia. O primeiro em 2002 em Hamburgo, com vitória do suíço, e depois em 2003 em Indian Wells, numa campanha em que Guga chegou à final.

“Enfrentar Federer é sempre muito difícil. É um jogador versátil, completo, não tem golpes que sejam fracos, vulneráveis”, define Guga. “É um número 1, com muitos recursos, que está um degrau acima de todos os outros jogadores.”

Suíço quer ver teipes

Paris – Número 1 do mundo, dono de dois títulos de Grand Slam – Wimbledon e Aberto da Austrália – Roger Federer quer tomar todos os cuidados para enfrentar o ex-tricampeão de Roland Garros, Gustavo Kuerten. Sem técnico, desde o início da temporada, o tenista suíço disse que vai pedir à organização do torneio teipes dos jogos de Guga deste ano, para analisar e preparar-se para enfrentar o brasileiro amanhã.

“Ainda bem que vou enfrentar Guga já na terceira rodada e não numa primeira. Até hoje, por uma razão ou por outra, nos encontramos poucas vezes (apenas duas, com uma vitória para cada jogador). Ele é um grande jogador, foi campeão aqui por três vezes e será um grande momento para mim.”

Simpático, como sempre, Federer demonstrou enorme respeito pelo tenista brasileiro, mesmo sabendo que Guga não está em bom momento e sofrendo com problemas físicos. Quando perguntado se ganharia o torneio de Roland Garros este ano, por vir de grandes resultados e ser o número 1 do mundo, Federer revelou seu profissionalismo. “Se disser que vou ganhar o título agora, seria uma falta de respeito com Guga, o meu próximo adversário.”

Aliás, Roland Garros este ano não está mesmo para prognósticos. As surpresas têm sido muitas. Ontem foi a vez do campeão do ano passado, o espanhol Juan Carlos Ferrero, dizer adeus ao torneio. Caiu diante de um desconhecido, o russo Igor Andreev por 6/4, 6/2 e 6/3. Outro cabeça-de-chave eliminado foi o francês Sebastien Grosjean. Perdeu para o italino Potito Starace, vindo do qualifying, por 7/6 (8/6), 6/3 e 6/4.

Em outros jogos, Federer ganhou de Nicolas Kiefer por 6/3, 6/4 e 7/6 (8/6), Lleyton Hewitt de Jurgen Melzer por 6/4, 6/4, 4/6 e 6/2, Albert Costa de Christophe Rochus por 6/1, 6/2 e 7/5. No feminino, Jennifer Capriati passou por Kveta Hrdlickova por 7/5 e 6/3, Mary Pierce por Gala Leon Garcia por 6/1 e 6/1, enquanto Venus Williams por Jelena Kostanic por 6/3 e 6/3.