Ninguém sabe se é possível, mas o interior do Paraná flerta com a possibilidade de um novo time de futebol na 1ª ou 2ª divisão do Campeonato Brasileiro. Na tarde de ontem, o presidente do Grêmio Metropolitano Maringá, Aparecido Regini “Zebrão”, confirmou o interesse em trazer o xará de Presidente Prudente para a Cidade Canção.

“Estamos conversando com a diretoria do Grêmio Prudente, sim. Ainda assim, temos que aguardar”, disse Zebrão. As palavras são relacionadas com o debate atual entre as partes: um possível problema judicial com nova mudança de cidade por parte do time que começou como Grêmio Barueri.

No Grêmio Prudente, ainda assim, permanece a cautela. “Tenho até parentes aí em Maringá, mas não tem nem sentido (a mudança)”, disse o presidente do conselho deliberativo do clube, Walter Sanches.

Não é de hoje que o presidente do Grêmio Metropolitano, que também é vereador em Maringá, demonstra interesse em comprar um time para jogar no Willie Davids.

Apenas por pequenas diferenças financeiras, no ano passado, fracassou a tentativa de recolocar a Cidade Canção na 1ª divisão do Paranaense com a vaga do Engenheiro Beltrão.

A possibilidade de nomadismo reacendeu dias atrás, quando o presidente do conselho do time paulista reclamou de Presidente Prudente. Promessas de empresários que levaram o time de Sanches a sair de Barueri não teriam sido cumpridas.

Apesar da vontade, a mudança é uma incógnita mesmo para especialistas na justiça desportiva. “Teria de ver se eles podem mudar de unidade federativa e permanecer com a vaga no nacional”, ressaltou o advogado Domingos Moro.

O presidente da Federação Paranaense de Futebol, Helio Cury, e o vice-presidente da entidade, Amilton Stival, foram procurados por telefone e não retornaram os contatos feitos pela reportagem.