Foi no Brasil que, em 1950, a Suíça alcançou o sexto lugar na Copa do Mundo, o que até hoje é o melhor resultado do país na competição. Agora, novamente em solo brasileiro, os suíços tentam chegar mais perto da marca contra a Argentina, pelas oitavas de final, na próxima terça-feira. Se fazer história já é motivo suficiente para dar tudo de si em campo, segundo o goleiro Diego Benaglio há uma motivação a mais: jogar pelos companheiros Steve von Bergen e Mario Gavranovic, que se machucaram durante o torneio.

“Tenho confiança em cada jogador e na qualidade da equipe. Estou convencido de que neste jogo todo mundo vai dar tudo pela Suíça. E garanto que vamos jogar por Steve von Bergen e Mario Gavranovic. A equipe quer e vai fazer tudo para honrar eles dois, além de querer fazer história na Copa do Mundo também”, disse.

O zagueiro Steve von Bergen sofreu uma fratura na face depois de um choque com Giroud, na partida contra a França. Já o atacante reserva Mario Gavranovic sentiu uma lesão no joelho neste sábado durante treinamento da seleção nacional.

Nas oitavas de final, os argentinos são considerados os favoritos. No entanto, para Benaglio, a Suíça pode surpreender se entrar em campo focada e com o sistema defensivo funcionando como em partidas como na estreia da Copa de 2010. Na ocasião, os suíços derrotaram por 1 a 0 a Espanha, seleção que viria a ser campeã no mesmo Mundial.

“Devemos permanecer altamente focados, muito disciplinados, manter a nossa densidade e agir com muito cuidado. O trabalho defensivo não começa com os defensores. Nosso atacante vai ser o primeiro defensor”, adiantou o capitão do Wolfsburg, clube que defende na Alemanha.

Nos dois confrontos mais recentes entre as duas seleções, houve um empate por 1 a 1, na Basileia, e uma vitória para os sul-americanos em Berna, por 3 a 1. A partida que vai credenciar Argentina ou Suíça nas quartas de final está marcada para as 13 horas da próxima terça-feira, no Itaquerão, em São Paulo.