A humilhante derrota por 4 a 0 para o Galo Mineiro, ontem, em plena Arena, resultou em mais danos do que apenas cair para a última colocação do Brasileirão, com apenas um ponto ganho em 15 disputados. O técnico Geninho pediu demissão em caráter irrevogável e deixou o comando do time. De acordo com o treinador, a sequência de maus resultados no campeonato tornou a sua permanência insustentável.

“Desde a minha volta tentei colaborar com o Atlético da melhor maneira possível, mas chega um momento que um fato novo tem que ser feito. Cheguei no meu limite. Tenho a consciência de que tentei de tudo fazer o melhor. O treinador vive de resultados. Cinco jogos, quatro derrotas e três delas em casa, realmente é muito difícil”, disse na entrevista coletiva após o jogo.

Para o treinador esse algo novo representa novas ideias e troca de comando técnico. “Com outro comandante, o Atlético vai voltar a vencer. Acho que o Atlético, contrariando algumas opiniões, tem um bom grupo. Se não tivesse qualidade não teria feitos aqueles bons jogos contra o Corinthians e São Paulo. Está passando por um momento de turbulência e alguma coisa precisa ser feita. Então tomei a iniciativa, pelo próprio bem do Atlético, de abrir espaço para o clube achar outro profissional”, explicou.

Em suas últimas palavras como comandante rubro-negro, Geninho afirmou que será um torcedor ferrenho do Atlético para que se recupere o mais rápido possível. Citou que seu amor pelo clube, torcida e cidade permanecem iguais e pediu desculpas pelos maus resultados.

“Peço desculpas por não ter correspondido a toda a confiança que a torcida atleticana tem em mim, mas isso faz parte do futebol. Com certeza ainda vamos nos cruzar em outras oportunidades”, disse Geninho encerrando mais um capítulo da bonita história que o técnico tem com o Furacão. Ele foi campeão brasileiro em 2001, o maior título do clube até o momento.

Mudança

O presidente Marcos Malucelli lamentou a decisão de Geninho, mas disse que não se surpreendeu com a atitude. “Quando você vem de derrotas seguidas em casa a lógica é o treinador se desgastar. E hoje mais ainda com o resultado e da maneira como atuamos. Foi um desastre, sem tirar o mérito do futebol apresentado pelo Atlético Mineiro. O nosso futebol foi muito fraco”, afirmou o dirigente.

Como o pedido de demissão ocorreu logo após o jogo, Malucelli comentou que não tem ainda nenhum nome em mente, mas que a diretoria irá se reunir para buscar alternativas. “Não temos ninguém em mente porque não prevíamos esse desastre de hoje. Aconteceu a derrota e vamos agora buscar novo treinador e ver se estreamos ele no próximo domingo”, analisou o presidente.