O técnico Marcelo Fernandes pode ter se despedido nesta quarta-feira do Santos da pior maneira possível. Com o time na zona do rebaixamento e goleado impiedosamente pelo Goiás por 4 a 1, que não está lá muito melhor no Campeonato Brasileirão, no estádio Serra Dourada, em Goiânia, pela 12.ª rodada. Nos bastidores da Vila Belmiro, comenta-se que Dorival Júnior pode ser anunciado ainda nesta quinta.

Se confirmada a substituição de Marcelo Fernandes – voltará a ser auxiliar – será um fim de ciclo melancólico para um treinador que, em sua primeira experiência mais forte no time principal, foi do sucesso do título paulista ao fracasso retumbante. Nesta quarta-feira, o Santos perdeu pela quarta vez seguida – soma apenas 10 pontos. Pior: foi diante de um adversário que também vinha mal – chegou agora aos 13 pontos – e que, por isso, representava boa oportunidade de reabilitação.

Os dois times começaram a partida mais preocupados em não levar gol do que em tentar fazê-lo. A consequência é que os primeiros 20 minutos foram marcados pela falta de ousadia e até mesmo lentidão. No entanto, como tanto Santos como Goiás marcavam a partir de suas intermediárias, havia espaços a aproveitar.

O time da casa passou a procurar algumas tabelas pelo meio, mas também explorou as costas dos laterais adversários. Os santistas tinham os espaços dados pelo lateral-direito Clayton Sales como opção. Mas preferiram explorar os contra-ataques.

É fato que na fase final da etapa a partida melhorou, ficou mais movimentada. Basicamente, pela maior iniciativa do Goiás, que passou a pressionar. E expôs todo o nervosismo e a insegurança da defesa santista. Os zagueiros tentavam se livrar da bola como dava, o que não impediu que os goianos tivessem duas boas chances – não marcaram graças a uma boa defesa de Vanderlei e a uma cabeçada que passou raspando.

O intervalo não serviu para tranquilizar os santistas. Isso ficou claro nos seis minutos em que o Goiás abriu 2 a 0. Fez um gol de pênalti com Felipe Menezes (após furada na área de Thiago Maia, o atabalhoado Victor Ferraz derrubou Carlos Eduardo) e um com o zagueiro Fred após pixotada incrível da zaga santista.

Aí o Santos morreu. Entregou-se de vez. E o Goiás foi fazendo gols, aproveitando erros dos paulistas. Aos 13 minutos, Thiago Maia fez besteira e Felipe Menezes marcou outra vez; aos 16, Daniel Guedes errou passe e na sequência Carlos Eduardo fez.

O Goiás poderia até ter ampliado, mas ficou satisfeito com a goleada reabilitadora. Ao Santos, restou o consolo do gol de honra. Artilheiro do campeonato com oito gols, Ricardo Oliveira fez de pênalti. Não comemorou. E nem há mesmo o que comemorar.

FICHA TÉCNICA

GOIÁS 4 x 1 SANTOS

GOIÁS – Renan; Clayton Sales, Felipe Macedo, Fred e Diego Barbosa; Rodrigo, David, Liniker e Felipe Menezes (Juliano); Bruno Henrique e Carlos Eduardo (Murilo). Técnico: Augusto César (interino).

SANTOS – Vanderlei; Daniel Guedes (Caju), David Braz, Werley e Victor Ferraz; Lucas Otávio (Neto Berola), Thiago Maia, Lucas Lima e Rafael Longuine; Gabriel (Marquinhos Gabriel) e Ricardo Oliveira. Técnico: Marcelo Fernandes.

GOLS – Felipe Menezes, aos 2 (pênalti) e aos 13, Fred, aos 6, Carlos Eduardo, aos 16, e Ricardo Oliveira (pênalti), aos 44 minutos do segundo tempo.

CARTÕES AMARELOS – Thiago Maia, Werley e Daniel Guedes (Santos).

ÁRBITRO – Anderson Daronco (Fifa/RS).

RENDA – R$ 52.000,00.

PÚBLICO – 1.830 pagantes.

LOCAL – Estádio Serra Dourada, em Goiânia (GO).