Foto: Danilo Camargo de Lacerda

 Crianças de todas as idades participam do projeto.

A ginástica olímpica brasileira está num processo de evolução maravilhoso. Os resultados alcançados pelos nossos principais atletas em competições internacionais são muito bons. Claro que estes resultados são frutos de investimento em infra-estrutura, contratação de técnicos experientes, de formação de seleções permanentes, enfim, de profissionalismo, pois nada acontece por acaso.

Um dos primeiros reflexos dessa evolução é a quantidade de crianças que estão se interessando pelo esporte. Por todo o País existem diversas escolas de ginástica onde as crianças treinam sonhando um dia ser um grande atleta.

Em Curitiba, no mesmo complexo onde treina a seleção brasileira de ginástica olímpica, existe o Centro de Excelência de Ginástica Olímpica que é o local destinado para que crianças e adolescentes possam treinar, nas escolinhas, sonhando um dia, quem sabe, ser uma Camila, Daiane, Daniele ou Diego.

Foto: Danilo Camargo de Lacerda

A escolinha possui 533 atletas inscritos, sendo 447 meninas e 86 meninos.

Funcionamento

Atualmente, a escolinha possui 533 atletas inscritos, que estão divididos em 16 turmas, sendo 447 meninas e 86 meninos, com idades entre 4 e 18 anos, sob a orientação das professoras Deise Mercer, que é a coordenadora responsável pela escolinha, Carla Oyeny Toro Munõz e Nathalye Shogi.

A princípio, as crianças entram numa lista de espera e são chamadas quando existe vaga disponível. A divisão é feita por idade e nível, no caso I, II e III. A divisão dos níveis ocorre através das atividades propostas que as crianças conseguem realizar. Cada nível possui uma atividade de proporção mais alto que o outro e a progressão é apresentada durante as aulas, onde a criança vai trocando de turma conforme vai se desenvolvendo.

A evolução dos níveis depende de criança para criança. A professora Deise enfatiza que ?tem criança que depois de seis meses já muda de professor e de nível e têm outras que continuam 1 ou 2 anos no mesmo nível porque isso depende da evolução e vontade de cada uma?.

Com relação ao treinamento, a professora Carla explica que a preparação física na escolinha funciona por etapas. Primeiro, as crianças fazem, dentro do aquecimento, uma preparação para conseguir trabalhar nos aparelhos que é a seguinte: corda, paradas de força, exercícios de impulsão e de força de abdômen.

A seqüência de exercícios trabalha o cardiovascular, flexibilidade, força, força específica e aparelhos. Como explica a professora Carla ?existe uma linha de segmento de trabalho padrão, a mesma utilizada pela seleção brasileira, que segue a escola ucraniana de ginástica?. Vale lembrar que a base para todas as crianças da escolinha é a mesma. A única diferença é que para os meninos ainda não há o treinamento de alto rendimento.

Foto: Miguel Angelo Manasses

 Professoras Carla Oyeny Toro Munõz e Deise Mercer.

Alto rendimento

Por falar em alto rendimento, a escolinha também exerce um papel de caça-talentos. As crianças, a partir de cinco, seis anos são selecionadas para o alto rendimento. A seleção ocorre através da análise do biótipo e preparo físico, sendo que velocidade e força são fundamentais.

As crianças que se destacam saem da escolinha e vão para o treinamento, dividido em I, II e III. O treinamento inicial de alto rendimento  tem uma carga diária de três horas. Depois disso, elas sobem de nível e já podem começar a competir em campeonatos brasileiros, neste caso o treinamento passa a ser de quatro horas diárias.

Competições

As crianças da escolinha também participam de competições municipais, regionais e estaduais. No fim do ano existe uma apresentação de encerramento, onde os atletas apresentam uma coreografia utilizando as técnicas que aprenderam no decorrer do ano. Esta apresentação é aberta ao público em geral.

A professora Deise salienta que, apesar de ser mais difícil, talentos podem ser revelados independente da idade, basta lembrar o caso da Daiane dos Santos que foi descoberta já na pré-adolescência.

A escolinha é mantida através do pagamento de uma mensalidade de R$ 17,00 para alunos de escolas públicas e R$ 37,00 para os alunos de escolas particulares. Esse valor é utilizado para pagar os professores. A escolinha se mantém através da mensalidade e o espaço para treinamento é cedido pelo Estado.

Foto: Miguel Angelo Manasses

 O esporte, ao contrário do que muitos pensam, não retarda o crescimento das crianças.

Desmistificando

Para os pais que acham que a ginástica retarda o crescimento das crianças ou que os técnicos receitam remédios para inibir o crescimento, a professora Deise diz que isso não tem o menor fundamento. O que acontece é que normalmente são selecionadas crianças pequenas, porque facilita o treinamento.

Deise diz que ?assim como no vôlei ou no basquete, são selecionadas as crianças de tamanho maior. No caso da ginástica é mais fácil treinar as crianças menores? e completa dizendo que ?quando as pessoas olham a Daiane ou a Daniele, as vezes, ficam impressionadas com a altura delas, mas não sabem que os pais dessas atletas também são baixos?. É uma questão de genética.

Serviço:

Centro de Excelência de Ginástica Olímpica
Rua Professora Antônia Reginato Vianna, 921 ? Capão da Imbuia ? Curitiba
Horário de funcionamento: Segunda e quarta, das 08:30 às 11:30 e à tarde das 14:00 às 17:00. Terça e quinta, das 08:30 às 11:30 e à tarde até às 19:00.
Telefone para contato: 41-3266-8990.