A norte-americana Simone Biles mostrou mais uma vez que não tem mesmo adversárias na ginástica atualmente. Depois de liderar os Estados Unidos ao ouro por equipes, a jovem de apenas 18 anos cravou de vez seu nome na história da modalidade nesta quinta-feira, ao faturar o tricampeonato mundial consecutivo no individual geral em Glasgow, na Escócia.

Os números de Simone Biles são de impressionar e confirmam a norte-americana como grande favorita ao ouro também para os Jogos Olímpicos do Rio, no ano que vem. Desde que passou a disputar as competições principais, em 2013, ela participou de três Campeonatos Mundiais, faturando oito medalhas de ouro, sendo três no individual geral.

Nesta quinta, a norte-americana não teve maiores dificuldades para garantir-se no lugar mais alto do pódio mais uma vez. Na soma dos quatro aparelhos, conseguiu 60.399 pontos, bem à frente de sua compatriota, Gabby Douglas, que cravou 59.316 e ficou com a prata. A romena Larissa Iordache veio na sequência, com o bronze: 59.107.

Com a conquista, Biles se tornou a primeira atleta na história a conquistar três títulos mundiais consecutivos no individual geral, e logo nas três primeiras vezes que disputou a competição. Ela também é a primeira norte-americana a faturar oito medalhas de ouro em Campeonatos Mundiais.

E o show de Biles aconteceu sob olhares atentos de duas brasileiras. Lorrane Oliveira e Flávia Saraiva fizeram bonito na fase de classificação e se garantiram na final desta quinta-feira, mas pararam por aí. Elas ficaram longe da briga por medalhas e terminaram, respectivamente, na 18.ª e 24.ª posições.

As duas foram atrapalhadas pelas quedas. Lorrane caiu nas suas apresentações na trave e no solo e acabou ficando bem abaixo da ótima décima colocação da primeira fase. Somou 55.031 pontos.

Já Flávia Saraiva falhou justamente nos dois aparelhos que são considerados seus mais fortes. Também sofreu quedas na trave, duas vezes, e no solo, o que a deixou na última colocação entre as 24 finalistas, com 53.232 pontos.

Nesta sexta-feira, o Brasil volta a ter atletas competindo no Mundial, na final do individual geral masculino. Arthur Nory e Lucas Bittencourt vão em busca de um bom resultado depois de terem terminado, respectivamente, em 11.º e 20.º na fase de classificação.