O Atlético goleou o Roma Apucarana ontem, por 4 a 2 na Arena da Baixada, tirando um pouco da pressão que pairava sobre o clube desde o início do Campeonato Paranaense, com a melhor apresentação desde a estreia.

A noite inspirada de Paulo Baier traz novos ares ao Furacão, para alegria do torcedor que ainda não tinha se convencido com o time este ano. Nas quatro rodadas anteriores, o Atlético penou para vencer em duas delas, sempre saindo atrás no placar.

O resultado sobre o Roma deu ao Rubro-Negro o placar mais elástico deste Campeonato Paranaense e a façanha de ser o único mandante a vencer na quinta rodada.

O resultado e a maneira como o Furacão se apresentou ontem vão ao encontro do que o treinador Sérgio Soares insistiu em repetir durante todo este início do Estadual – que ao final do mês de janeiro, o Atlético começaria a mostrar sua verdadeira identidade, com a preparação física muito próxima do ideal, com mais entrosamento, se impondo mais e que após a sexta rodada, que acontece na próxima quarta-feira, contra o Cascavel, as cobranças seriam mais aceitáveis.

E esta vitória não só tira esta pressão dos ombros dos jogadores e do técnico Sérgio Soares, como liquida um tabu recente do Furacão. O time não marcava quatro gols em uma partida desde 23 de março do ano passado, quando goleou o Cascavel por 5 a 0. Na rodada anterior, já havia feito 4 a 1 em cima do Corinthians Paranaense.

Em campo ontem, o time teve outra postura. Se contra o Operário deixou a desejar e foi criticado por Sérgio Soares pela falta de vontade, contra o Roma a equipe se movimentou, buscou o jogo, conseguiu sair na frente no placar, mas ainda apresentou a mesma oscilação que custou caro em outras partidas.

No primeiro tempo, o Atlético deixou o adversário comandar o jogo em alguns momentos, preocupação que foi exaltada pelos próprios jogadores no intervalo. Mesmo vencendo por 1 a 0, gol marcado aos 17 minutos do primeiro tempo, em cobrança de pênalti de Paulo Baier, que foi o grande nome da noite, o time não tinha domínio da partida. No segundo tempo, o Furacão tomou um susto já no segundo minuto. Robenval de cabeça fez 1 a 1.

Depois de sofrer o empate, o Furacão acordou e foi para cima. No minuto seguinte, fez 2 a 1, em gol de Madson, que marcou o seu segundo com a camisa rubro-negra.

Os dois gols seguintes mostraram mais uma vez porque Paulo Baier é xodó da torcida e chamado de Maestro. Aos 14 minutos, ele deu um passe primoroso para Lucas ampliar para 3 a 1.

Aos 41 minutos, o capitão converteu o pênalti sofrido por Wescley. Antes do apito final, Lira, também de pênalti conseguiu diminuir a diferença para o Roma, fazendo 4 a 2.

Allan Costa Pinto
Após belo passe de Paulo Baier, Lucas bate com categoria pra fazer o terceiro: time começa a mostrar sua cara.