Mesmo com o elenco em fase de formação, o Atlético sonha alto no Campeonato Brasileiro. Chega de passar pela agonia de brigar para escapar da 2.ª divisão nas rodadas finais da competição. Pelo menos esse é o discurso encampado no clube.

E o planejamento para a temporada já está traçado pela comissão técnica, que considera 2010 um ano atípico graças à parada de aproximadamente 40 dias que o torneio nacional dará entre junho e julho devido à disputa da Copa do Mundo.

As primeiras sete rodadas são consideradas de extrema importância para delinear o futuro na competição. A intenção é somar o máximo de pontos até o intervalo para que depois o time possa se preocupar apenas em fazer ajustes e aprimorar-se técnica e fisicamente.

Em termos de planejamento é o correto, entretanto a performance do clube nos últimos anos aponta para outro caminho. Historicamente o Furacão inicia a competição muito mal e se recupera apenas no returno.

Tática

Leandro Niehues tem como costume trabalhar com metas. Mais especificamente de 3 em 3 jogos. Ele projeta como satisfatório para o Atlético, nesta primeira fase da competição, somar entre 5 a 7 pontos dos 9 possíveis. “Esse seria o ideal para chegarmos bem até a parada da Copa do Mundo”, afirmou.

O problema desse planejamento obviamente são os adversários e os jogos que o Furacão realizará fora da Arena. Nas sete primeiras apresentações, serão quatro viagens, a começar pela estreia contra o Corinthians. Na sequência Galo Mineiro, Internacional e Vitória. Junto à sua torcida, o Atlético enfrentará Guarani, Atlético Goianiense e Botafogo (ver quadro).

“Futebol é dinâmico e vai do embalo. Temos que estrear bem e trazer pontos. Depois tem o Guarani e temos a obrigação de vencer. Um bom começo muda toda a situação. Futebol é momento. Sabemos que precisamos nos reforçar, mas temos um time competitivo. Temos que melhorar, mas não está tudo errado. É trabalhar por objetivos e centralizar neste sete primeiros jogos”, analisou Niehues.

Vantagem?

Após a realização da Copa do Mundo, o Atlético poderá se beneficiar de um aspecto bastante controverso no futebol brasileiro. A disputa da Copa Sul-Americana.

Neste ano, pela primeira vez desde a sua criação, o “El Paranaense” não participará da competição. E isso poderá ser um fator positivo para o clube, já que o calendário para a disputa do Brasileirão e Sul-Americana ficará bastante apertado e, portanto, desgastante. Participam da copa internacional: Santos, Avaí, Galo Mineiro, Palmeiras, Grêmio, Goiás, Grêmio Prudente e Vitória.