O diretor do Departamento de Segurança e Prevenção da Federação Paulista de Futebol, Marcos Marinho, anunciou, nesta terça-feira, que a entidade baixará uma resolução para proibir a entrada nos estádios do Estado dos torcedores Leandro Silva de Oliveira e Raimundo César Faustino durante 90 dias.

Oliveira, conhecido como Soldado, é um dos 12 corintianos presos na Bolívia acusados pela morte do jovem Kevin Espada e solto por falta de provas. Ele participou da briga generalizada com torcedores do Vasco domingo, no Estádio Mané Garrincha, em Brasília, pela 16.ª rodada do Campeonato Brasileiro.

Fotos mostram Oliveira enfrentando policiais militares, sendo atingido por spray de pimenta e, na sequência, trocando socos e pontapés com vascaínos e policiais.

Faustino, apelidado de Capá, é vereador pelo PT em Francisco Morato. Ele também aparece em algumas imagens dando um chute em um policial fardado.

Os dois torcedores podem ser enquadrados no artigo 41 do Estatuto do Torcedor, que prevê a exclusão dos estádios por até três anos de quem “promover tumulto, praticar ou incitar a violência, ou invadir local restrito aos competidores em eventos esportivos”.