Dispensado da Sauber após duas temporadas como titular da equipe, Esteban Gutiérrez foi oficialmente anunciado pela Ferrari, nesta segunda-feira, como novo piloto testes e piloto reserva da escuderia italiana. O piloto mexicano ganhou o novo posto após ser preterido pelo time baseado em Hinwil, na Suíça, que confirmou o brasileiro Felipe Nasr e o sueco Marcus Ericsson como titulares para temporada de 2015 da Fórmula 1.

Campeão da GP3 antes de ingressar na F1, Gutiérrez estreou na categoria máxima do automobilismo justamente pela Sauber, cujos carros contam com motores fornecidos pela Ferrari, em 2013. Naquele ano, ele conseguiu somar seis pontos como estreante, mas neste ano ele amargou uma temporada muito ruim, na qual o time suíço não conseguiu contabilizar um mísero ponto no Mundial.

Novamente empregado, Gutiérrez festejou o fato de ao menos seguir poder trabalhando na F1, embora não seja mais como titular de uma equipe. “É uma honra me tornar parte da família Ferrari, uma equipe com uma história excepcional. Para mim, é o começo de um novo caminho para o meu futuro e estou indo para fazer o meu melhor para contribuir para que a escuderia alcance os seus objetivos”, afirmou o mexicano.

Novo chefe da Ferrari, em substituição a Marco Mattiacci em importante mudança anunciada no mês passado, Maurizio Arrivabene comemorou a contratação de Gutiérrez para poder colaborar para o time que terá a dupla formada pelos campeões mundiais Kimi Raikkonen e Sebastian Vettel como titulares em 2015.

“Tenho o prazer de receber Esteban Gutiérrez. Estamos satisfeitos por podermos oferecer esta oportunidade a Esteban que, apesar de jovem, tem muita experiência com relação à nova geração de carros de F1. Estou certo de que, com a sua experiência, ele vai dar uma contribuição importante para o trabalho de desenvolvimento da equipe no simulador”, ressaltou Arrivabene, que ainda destacou a importância de a Ferrari poder manter a presença de um piloto mexicano trabalhando na F1.

“Receber Esteban também significa abrir os portões da Ferrari para um piloto do México, um país onde a escuderia ainda tem muitos fãs, assim como era o caso há 50 anos com os irmãos Rodríguez”, disse ao se referir a Pedro e Ricardo Rodríguez. O primeiro deles guiou pelo time italiano em oito corridas entre 1964 e 1969, enquanto o segundo pilotou pela equipe de Maranello em cinco provas entre 1961 e 1962.