O Engenhão não tem o mesmo desenho do La Bombonera, que dá uma sensação de absoluto sufocamento aos visitantes e serve de combustível adicional aos jogadores do Boca Juniors. Mas o Fluminense espera que o apoio de mais de 35 mil tricolores ecoe alto no estádio carioca, a partir das 19h30 desta quarta-feira, e alimente o futebol do time em campo em busca de uma difícil vitória por, no mínimo, dois gols de diferença e a consequente classificação para as semifinais da Copa Libertadores.

“A torcida pode esperar luta o tempo todo. Vi que já foi quase tudo vendido e peço incentivo o tempo todo”, cobrou o meia Thiago Neves, sobre quem haverá grande pressão para superar a ausência de Deco e Fred, que seguem afastados por lesão.

Vencedores do primeiro duelo, há uma semana, por 1 a 0, os argentinos jogam pelo empate e podem até perder por um gol de diferença se balançarem as redes. A necessidade de buscar vantagem elástica precisa ser encarada com cautela pelos tricolores, tanto os que entram em campo como os que ficam nas arquibancadas. “É necessário ter muita paciência porque é um jogo de detalhes. Se for para vaiar, que seja depois do apito final. Precisamos do apoio de todos”, reforçou Thiago Neves.

Além de Fred e Deco, os outros desfalques são os volantes Valencia e Diguinho (lesionados) e o lateral-esquerdo Carlinhos, expulso no jogo de ida, em Buenos Aires. Thiago Carleto entra no lado esquerdo. Recuperado de contusão, o atacante Wellington Nem fica no banco e certamente vai ser usado na segunda etapa, principalmente se o placar não for o favorável ao time das Laranjeiras.