Marcel abriu o caminho para
goleada alviverde.

Após quase um mês sem vencer em casa, o Coritiba deu a volta por cima ontem à tarde e presenteou a torcida com uma estrondosa goleada de 5 a 0, em cima do Flamengo. O resultado confirmou a sina de “freguês” do rubro-negro carioca: nos jogos disputados contra os paranaenses em Curitiba, o Mengo foi goleado em todos. Perdeu por 6 a 2 para o Paraná Clube e por 4 a 1 para o Atlético. Na soma, a equipe carioca sofreu 15 gols e marcou apenas três nos jogos em Curitiba.

Disposto a melhorar os números dos jogos disputados no Couto Pereira – até ontem, a equipe já havia perdido quinze pontos em casa – o técnico Paulo Afonso Bonamigo decidiu mudar a postura do time, sacando o zagueiro Danilo e escalando Souza no meio. Com a mudança, o lateral Ceará foi orientado a fazer as vezes de um zagueiro pela direita. Mesmo perdendo o apoio ao ataque pela direita, o Coritiba mostrou-se, desde os primeiros minutos, mais audacioso. Com maior posse de bola e comandando as principais ações ofensivas, o gol era apenas uma questão de tempo. Aos 25 minutos, Tcheco cobrou uma falta pela esquerda e Marcel apareceu na área para bater de primeira, sem chances para Júlio César. Minutos depois, o goleiro flamenguista teve que operar um milagre ao colocar para escanteio um chute à queima-roupa de Souza.

Apesar do domínio no jogo, o Alviverde experimentava um problema de posicionamento, que comprometia o setor criativo do time. Com a função de marcar o habilidoso meia Felipe, o volante Roberto Brum era o homem mais avançado no meio, o que forçava seus companheiros Souza, Tcheco e Jackson a voltarem mais para auxiliar a marcação. Em um desses gestos de solidariedade com a defesa, acabou surgindo a jogada do segundo gol coxa, já no finalzinho do primeiro tempo. Aos 44 minutos, Reginaldo Nascimento se arriscou na frente e tocou para Odvan, que estava na área adversária. No momento do domínio, Rafael o puxou e o árbitro Rodrigo Cintra assinalou a penalidade. Tcheco cobrou com mestria e aumentou a vantagem alviverde. Obrigado a mudar o panorama do jogo, o técnico Oswaldo de Oliveira fez duas mudanças na segunda etapa: sacou Edílson e Fernando Diniz e escalou Fernando Baiano e Igor, respectivamente. Já Bonamigo optou por acertar o posicionamento e liberou Brum da marcação em Felipe, o que deixou a equipe ainda mais equilibrada com as subidas alternadas dos meio-campistas. Não demorou para a evolução dar resultados.

Em uma subida rápida do Coritiba, Marcel sofreu falta e chamou a responsabilidade da cobrança para si. Aos 10 minutos, o artilheiro alviverde chutou firme. A bola bateu na trave direita e entrou, deixando o placar em 3 a 0. E foi pelos pés de Marcel que surgiu o quarto gol, aos 22 minutos. Com um toque primoroso, o jogador deixou Edu Sales em ótima condição para encobrir Júlio César e marcar o quarto.

Combalido, o Flamengo não tinha forças para reagir e acabou sofrendo mais um revés aos 26 minutos. Lira sofreu pênalti e Roberto Brum, que nunca havia feito um gol com a camisa alviverde, pediu para bater. Mesmo sem o aval de Bonamigo, o carioca ajeitou a bola, chutou firme e fechou a goleada por 5 a 0, dando o golpe de misericórdia no Flamengo.

Campeonato Brasileiro
25ª Rodada – 2º turno
Local: Couto Pereira
Árbitro: Rodrigo Martins Cintra (SP)
Assistentes: Sérgio Ferreira Leandro (SP) e Luís Quirino da Costa (SP)
Gols: Marcel aos 25 e Tcheco aos 44 minutos do 1º tempo; Marcel aos 10, Edu Sales aos 22 e Roberto Brum aos 27 minutos do 2º tempo.
Cartões amarelos: Souza, Edu Sales, Fernando, Andreson, André Bahia e Jonatas.
Público pagante: 11.323
Público total: 15.076
Renda: R$ 149.217,50

CORITIBA
5 X 0
FLAMENGO

CORITIBA
Fernando, Ceará , Odvan, Reginaldo Nascimento, Lira, Roberto Brum, Souza (Djames), Tcheco , Jackson, Edu Sales (Lima), Marcel (Marco Britto), Técnico: Paulo Afonso Bonamigo

FLAMENGO
Júlio César, Rafael, Fernando, André Bahia, Anderson, Fabinho, Jonatas, Fernando Diniz (Igor), Felipe, Jean, Edílson (Fernando Baiano) Técnico: Oswaldo de Oliveira

Brum ganha presente de Tcheco

Apesar da expressiva vitória sobre o Flamengo, o Coritiba não conseguiu subir de posição na tabela: continua na quinta colocação. Mesmo fazendo a sua parte, o Alviverde não contou com a colaboração da Ponte Preta, que foi goleada por 4 a1 pelo Internacional, que se mantém em quarto lugar.

Mas a goleada sobre o Flamengo promoveu as pazes entre o time e a torcida, que havia deixado o estádio com estrondosos apupos no empate em 1 a 1 entre Coritiba e Fortaleza, última partida disputada no Couto Pereira. As vaias foram trocadas por gritos de olé. “Foi um presente para todos os pais coxas-brancas, para lavar a alma”, disse Tcheco ao deixar o gramado. Para Reginaldo Nascimento, a vitória representa a quebra de uma “sina” da equipe neste Brasileirão. “Não estávamos tendo boas apresentações em casa. Hoje tiramos isso a limpo”, comemorou.

O destaque da partida, Marcel, dividiu os louros com o grupo e usou o discurso da humildade após o jogo. “Foi bom pela goleada, não necessariamente porque joguei bem”, disse. Mas não há como dissociar uma coisa da outra. Autor de dois gols e co-autor de outro – o assinalado por Edu Sales – o centroavante apavorou a torcida do Flamengo e, de quebra, assinalou seu 12.º gol neste Brasileirão e alcançou a marca de 21 na temporada, passando o atacante atleticano Ilan.

O gostinho especial da partida experimentado por Marcel também foi sentido pelo volante Roberto Brum, que assinalou seu primeiro gol com a camisa alviverde – o último da goleada, de cobrança de pênalti. “Tenho que agradecer ao Tcheco, que é o cobrador oficial e permitiu que eu cobrasse. Ele me disse que eu merecia e me deu confiança”, agradeceu o jogador.

Apesar de satisfeito com o sucesso experimentado pela equipe, o técnico Paulo Afonso Bonamigo ainda não sabe se manterá a mesma formação para o compromisso contra o Juventude, no sábado, às 16h, no Couto Pereira.