Campeão da Taça Guanabara – primeiro turno do Campeonato Carioca – há duas semanas e goleado por 4 a 0 em clássico contra o Fluminense na rodada passada da Taça Rio (segundo turno), o Flamengo vai estrear na Copa Libertadores com a missão de espantar qualquer desconfiança. Nesta quarta-feira, às 21h45, disputa a primeira rodada do torneio continental em duelo contra o tradicional River Plate, da Argentina, no estádio do Engenhão, no Rio de Janeiro, com portões fechados. Os dois times integram o Grupo 4, ao lado de Emelec (Equador) e Independiente Santa Fe (Colômbia).

A partida será realizada sem público, conforme determinação da Conmebol. O Flamengo foi punido com multa de 300 mil dólares (perto de R$ 940 mil) e perda de dois mandos de campo na Libertadores por conta da confusão na final da Copa Sul-Americana do ano passado. Na ocasião, perdeu o título para o Independiente e seus torcedores invadiram e quebraram o estádio do Maracanã.

Mesmo com estádio vazio, a direção rubro-negra reforçou o esquema de segurança nos portões do estádio para evitar eventuais conflitos na chegada da delegação adversária. Como pediu, através da imprensa, para que sua torcida evite provocações no hotel dos argentinos. Isso aconteceu na final da Copa Sul-Americana, quando houve muito barulho à noite, com rojões e música alta para tirar o sono dos jogadores.

Sem o apoio da torcida, fator considerado de extrema importância na competição, o Flamengo vai ter que se garantir na base da qualidade técnica e tática. Para o duelo, o técnico Paulo César Carpegiani não vai contar com o volante Cuéllar, que cumprirá o primeiro de dois jogos de suspensão pela expulsão na decisão da Copa Sul-Americana. Jonas deve ficar com a vaga.

Mas o time vai completo, mesmo porque os titulares foram poupados no clássico disputado na Arena Pantanal, em Cuiabá, no sábado passado. Como já é semifinalista do Campeonato Carioca, a direção do clube priorizou a participação na Libertadores. Só o goleiro Diego Alves atuou e ainda levou quatro gols do Fluminense.

Apesar de o adversário estar vivendo um mau momento na temporada, o treinador flamenguista não aceita que rotulem o lado brasileiro como favorito. “O River Plate é um dos grandes times do futebol mundial e enfrentá-lo é sempre certeza de um jogo complicado e muito bem disputado”, afirmou Paulo César Carpegiani.

A fase do River Plate é complicada. O time é o 21.º colocado do Campeonato Argentino, com apenas 19 pontos somados em 17 partidas. Diante do cenário preocupante, o técnico Marcelo Gallardo tem feito mistério em relação à escalação que mandará a campo no estádio do Engenhão.

Entre os nomes mais conhecidos do elenco está o atacante argentino Lucas Pratto, que até o ano passado defendia o São Paulo. Ele não está confirmado, mas briga com Rodrigo Mora para ficar com a vaga ao lado de Scoco. Também existe a possibilidade de que Marcelo Gallardo opte por uma formação mais ofensiva e escale os três juntos.