Rio – Em meio ao desespero, por causa do penúltimo lugar na classificação do Campeonato Brasileiro, os jogadores do Flamengo literalmente se ajoelharam aos pés da imagem de São Judas Tadeu para pedir um ?milagre? ao padroeiro do clube e santo das causas impossíveis.

Mantendo a tradição de muitos anos, 17 jogadores, dirigentes e membros da comissão técnica foram à igreja do Cosme Velho, zona sul do Rio, celebrar o dia de São Judas Tadeu, comemorado ontem. E levaram, inclusive, o uniforme da equipe para receber a bênção do arcebispo do Rio, o corintiano Dom Eusébio Scheidt.

?A gente não vem pedir vitórias, não vem pedir para subir na tabela. Vem pedir força e saúde para trabalhar. Viemos rezar para conseguirmos a luz necessária para sairmos dessa situação?, disse o técnico Joel Santana. ?A fé é importante neste momento. E é com trabalho que vamos tirar o Flamengo da situação em que se encontra?.

O técnico do Flamengo era um dos que tentavam amenizar a situação do clube, apesar de ter apenas 35 pontos na tabela e estar na penúltima posição. Ele disse acreditar que o time se livrará do rebaixamento nos oito jogos restantes do campeonato. Além disso, destacou que os jogadores já estão com o espírito de raça e determinação, características marcantes da história flamenguista.

E o ânimo de Joel Santana aumentou após uma conversa com o arcebispo do Rio, que, apesar de corintiano, mostrou simpatia com o Flamengo. O técnico destacou que Scheidt disse estar torcendo para o time se livrar da má fase.

Ao lado do técnico do Flamengo e do auxiliar Andrade, os jogadores ficaram posicionados próximo ao altar onde depositaram peças do uniforme e símbolos do clube. Na hora da bênção, os laterais Leonardo Moura e André Santos, o meia Júnior e os goleiros Diego e Getúlio seguraram as vestimentas para serem benzidas pelo arcebispo do Rio.

Além da delegação do clube, vários torcedores do Flamengo participaram das missas que começaram a ser celebradas às 6 h de ontem e ocorreram de hora em hora. A estimativa era a de que 30 mil pessoas passaram pelo templo para pedir uma ajuda ao santo das causas impossíveis.

O clima de paz só foi quebrado por causa de alguns protestos de torcedores pela transferência do padre Benedito, flamenguista confesso, que no dia do padroeiro sempre colocou a bandeira do clube no altar.