Lucimar do Carmo
Atacante rubro-negro
não se importou com o que
disse o presidente do Coxa
e agora quer brigar pela vaga
de titular do Furacão.

E não é que o ?pangaré? vai mostrando que é matador mesmo? Preterido pelo presidente do Coritiba, Giovani Gionédis, Alexandre Finazzi começa a mostrar no Atlético que tem sangue de artilheiro mesmo. Os três gols contra o Cruzeiro já justificaram a busca do Rubro-Negro na sua contratação desde o início do ano. Nas cinco partidas em que atuou (três como titular) ele marcou quatro vezes e exibe uma excelente média (0,8 gol por jogo) para quem precisa substituir o titular Aloísio nas próximas partidas.

Comparado a um cavalo de pouco valor e útil apenas para puxar carroças pelo dirigente do Alviverde, acabou não indo para o Alto da Glória. Uma avaliação inusitada, já que no Paulista ele foi artilheiro da Copa do Brasil e está substituindo Aloísio à altura no Furacão. ?Fiquei sabendo desse comentário, mas não me importo com isso não?, disse. Melhor para a torcida atleticana e para o técnico Antônio Lopes, que quando não tem um matador, tem outro em campo, como aconteceu no jogo contra o Cruzeiro.

?Fiquei muito feliz com o último jogo. Agora, vamos procurar somar o maior número de pontos nesses dois jogos. O campeonato é longo, mas se conseguirmos manter o que fizemos nas últimas partidas, podemos brigar pelo título. Será difícil manter, mas vamos nos esforçar?, apontou Finazzi, que abandonou a faculdade de engenharia civil para seguir a carreira de jogador de futebol.

Segundo ele, não está sendo fácil substituir um jogador como Aloísio. ?O Aloísio vem numa fase muito boa, vem melhor adaptado do que eu com o restante da equipe e a tendência, com os jogos e treinamentos, é que eu melhore também?, destacou. De qualquer forma, ele garante estar preparado para assumir de vez a camisa de titular. ?Para isso é preciso fazer os gols. Não adianta apenas ajudar a minha equipe, estar jogando bem. Para um centroavante, a necessidade grande é marcar os gols?, explicou.

Adaptado ao clube, pelo menos, ele já está. ?Com certeza. Me sinto à vontade. Claro que ritmo de jogo e a condição física têm a tendência de melhorar. Em alguns jogos eu não senti a parte física e em outros eu senti. Mas, isso é normal e na hora em que estiver melhor vai dar para ajudar mais um pouco?, finalizou. Se mantiver a produtividade, ele tem tudo para entrar na história do clube ao lado de outros jogadores consagrados como os dois Washington, Kléber, Sicupira e Alex Mineiro, entre outros.

Lopes define hoje time pra encarar o São Caetano

O técnico Antônio Lopes define hoje a equipe do Atlético que enfrentará o São Caetano, às 19h de amanhã, no Anacleto Campanella. Sem poder contar com Alan Bahia e Evandro, suspensos, a tendência é que Marcus Winícius volte ao time titular e Ferreira continue na equipe, com Lima voltando após a automática de sábado. Após o trabalho de hoje, a delegação rubro-negra embarca para a capital paulista, onde vai ficar concentrada.

A outra dúvida do treinador é o volante Cocito, que continua sentindo o tornozelo, preocupa, mas deve jogar. O mesmo vale para Lima, que reclama de dores no joelho esquerdo. A definição sai no trabalho de hoje pela manhã no CT do Caju. Caso eles não possam atuar, Ticão e Schumaker poderão aparecer como titulares. Vivendo um bom momento, os jogadores querem aproveitar o embalo para continuar subindo na tabela. ?Temos de procurar impor nosso ritmo no Anacleto também. Precisamos dessa vitória?, aponta o meia Fabrício. Sem Evandro, a responsabilidade maior de criação ficará sobre ele. ?Vamos ver o que o professor vai decidir, mas acho que vou ter mais responsabilidade na criação e também na marcação?, adianta.