A Fifa promete punir os responsáveis por distribuir ingressos para cambistas, depois que a Polícia Civil do Rio anunciou uma operação que desvendou como integrantes da entidade e da empresa Match auxiliavam a venda no mercado negro. Mas nega que o cambista preso pela polícia tenha sido credenciado.

Em uma declaração emitida na noite desta quinta-feira, o diretor de marketing da entidade, Thierry Weil, confirma que a Fifa “está apoiando as autoridades locais em suas investigações contra as atividades de cambistas e a venda ilegal de ingressos para a Copa do Mundo da Fifa”.

Segundo ele, a Fifa vai agora avaliar se os ingressos confiscados com os cambistas são reais ou falsos. “Os especialistas em ingressos da Fifa vão analisar amanhã (sexta-feira, dia 4 de julho de 2014) os ingressos apreendidos para confirmar sua autenticidade e ajudar as autoridades a identificar a fonte dos ingressos e a rastreá-los”, declarou.

Weil garantiu que qualquer pessoa envolvida será sancionada. “A Fifa e as autoridades locais irão

se assegurar de que qualquer violação receba a devida punição”, disse.

O diretor, porém, nega a informação prestada pela Fifa de que o líder do grupo, Lamine Fofana, tenha sido credenciado pela entidade. “A Fifa gostaria de confirmar que Mohamadou Lamine Fofana nunca foi credenciado para a Copa do Mundo da Fifa e não teve acesso a nenhum carro oficial da Copa do Mundo da Fifa”, declarou.

A polícia havia dado uma informação de que Fofana circulava em um carro credenciado pela Fifa. “A Fifa tem uma postura firme contra qualquer forma de violação aos regulamentos da venda de ingressos e está muito satisfeita com a grande colaboração das autoridades locais em seus esforços para reprimir a venda não autorizada de ingressos”, completou.