O autódromo de Barcelona passou por alguns instantes de ?déjà vu? ontem. Fernando Alonso, que começou a semana preocupado em arrancar qualquer ilusão de seus torcedores, terminou o dia comemorando diante de uma multidão em delírio. Com o fraco carro da Renault, o asturiano conseguiu a segunda posição no grid para o GP da Espanha, quarta etapa do Mundial de Fórmula 1.

Fez muito mais do que se poderia esperar. Primeira fila, como nos velhos tempos de uma Renault vencedora, que lhe deu dois títulos mundiais ? em 2005 e 2006. ?É o dia mais feliz que tivemos nesta temporada?, festejou Alonso. ?Nossa estratégia a cada corrida tem de ser essa, mais agressiva, para voltarmos ao nível que sempre tivemos.?

Agressividade, no caso, significa um carro possivelmente mais leve que a concorrência, para tentar alguma coisa nas primeiras voltas. Não vai ser fácil, porque Fernando tem à sua frente Kimi Raikkonen, dominante desde a sexta-feira, que fez sua primeira pole no ano, confirmando o favoritismo da Ferrari. E, atrás, o desafeto Felipe Massa, também de Ferrari, que ficou emburrado com o terceiro lugar no grid. ?Minha melhor volta veio cedo demais?, disse o brasileiro, que na última parte da classificação não encaixou uma boa volta em sua segunda tentativa.

Alonso acha que em Barcelona a Renault deu seu real primeiro passo à frente no que diz respeito ao desenvolvimento do carro. A equipe voltou a usar o amortecedor de massa, uma peça dentro do bico que compensa as vibrações das suspensões. O dispositivo havia sido proibido em 2006 porque tinha funções, segundo a FIA, aerodinâmicas. Mas o time desenvolve algo semelhante que, agora, passou pelo crivo da entidade.

Resultado da melhora foi a colocação de Nelsinho Piquet no grid, em décimo. Pela primeira vez ele parte entre os dez primeiros num GP. ?Dava para ser melhor, porque as diferenças de tempo para os que estão à minha frente são muito pequenas?, falou.

Raikkonen, líder do Mundial, é o franco favorito à vitória hoje, especialmente porque Alonso deve segurar um trenzinho às suas costas nas primeiras voltas, permitindo que o finlandês dispare na frente se largar bem. Mas, como sempre, o ?homem de gelo? evitou muito entusiasmo. ?Classificação é só um pedaço. Pontos a gente ganha amanhã?, disse.

O GP da Espanha começa às 9h e terá 66 voltas.