Depois de ficar longe de brigar pelo título mundial neste ano e ser superada inclusive pela Williams na disputa de construtores da Fórmula 1, a Ferrari continua dando prosseguimento ao processo de reestruturação visando a temporada de 2015. Desta vez, a equipe confirmou as demissões do seu diretor de engenharia, Pat Fry, e de seu projetista, Nikolas Tombazis, este último no time desde 2006.

Os dois profissionais eram os últimos remanescentes do período vivido por Fernando Alonso na escuderia, defendida pelo piloto entre 2010 e 2014. O espanhol foi para a McLaren após o final desta temporada e agora vê seus antigos companheiros de time também deixarem Maranello.

As novas mudanças foram anunciadas pelo recém-contratado chefe de equipe Maurizio Arrivabene, que substituiu o também demitido Marco Mattiacci, profissional cujo trabalho não agradou no cargo depois de ter sido nomeado para o lugar de Stefano Domenicali ainda em abril deste ano.

Contratado no meio de 2010, o inglês Fry havia deixado a McLaren para trabalhar no time italiano, no qual se tornaria diretor técnico em 2011 e depois viraria diretor de engenharia após o seu compatriota James Allison assumir seu cargo na parte técnica, no ano passado. Allison, por sinal, acabou sendo mantido como diretor técnico pela nova chefia da Ferrari, que agora terá os italianos Simone Resta no posto de projetista-chefe e Mattia Binotto como responsável pelos motores.

Allison ainda irá ocupar de forma interina o cargo de diretor de engenharia de pista, enquanto Massimo Rivola será gerente da equipe na F1.

Reestruturada, a Ferrari espera poder voltar a lutar diretamente pelo título mundial de pilotos e construtores em 2015 apostando principalmente na chegada de Sebastian Vettel, tetracampeão mundial, que acaba de deixar a Red Bull. E ao lado do alemão como companheiro de equipe estará outro campeão do mundo, o experiente finlandês Kimi Raikkonen.