Luiz Felipe Scolari chega
para comunicar que vai sair.

Lancepress – O técnico Luiz Felipe Scolari anunciou na tarde de ontem, que não é mais o técnico da Seleção Brasileira.

O treinador pentacampeão mundial deu uma entrevista coletiva para a imprensa esportiva e alegou motivos familiares para deixar o cargo: “Fiz questão de conversar de amigo para amigo com Ricardo Teixeira e passar as dificuldades de permanecer na Seleção. Ouvi dele algo que me emocionou: um pedido para continuar. Entendo que quando fui chamado na hora da dificuldade, aqui estive, mas tenho alguns aspectos familiares e outras coisas para resolver. E entendi que o presidente deva estar liberado para procurar outro treinador A partir deste momento, não sou mais o técnico da Seleção Brasileira”, declarou o treinador. O técnico se despedirá do comando dsa Seleção Brasileira no amistoso do dia 21 de agosto, contra o Paraguai, em Fortaleza.

Ano que vem

O presidente da CBF, Ricardo Teixeira, disse também na nova sede da entidade, na Barra da Tijuca, Zona Oeste do Rio de Janeiro, que o nome do novo técnico da Seleção Brasileira só deve ser anunciado no ano que vem, quando começarão os jogos para as eliminatórias sul-americanas para a Copa de 2006. Perguntado sobre se há a possibilidade de algum ex-técnico voltar a treinar a equipe, Teixeira foi direto: “Não há nehuma restrição a ninguém para ocupar o cargo. Mas só anunciarei o técnico no ano que vem”, disse Teixeira.

Teixeira disse também que a Seleção Brasileira deve ter um treinador somente para a Seleção Olímpica: ” Dos dois grandes esforços que fizemos para que a Seleção Olímpica conquistasse a medalha de ouro, uma não foi bem sucedida e outra custou o cargo do treinador”, disse o presidente se referindo aos técnicos Zagallo, em Atlanta, em 1996, e Vanderlei Luxemburgo, em Sydney, em 2000.

“Então, provavelmente, teremos um técnico só para a Seleção Olímpica”, completou Teixeira.

Procura-se um treinador

São Paulo

AE – Vai começar agora uma onda de especulações sobre quem vai ser o substituto de Luiz Felipe Scolari. Vários nomes largam na frente da sucessão do técnico pentacampeão. Os mais cotados são Carlos Alberto Parreira, Vanderlei Luxemburgo e Oswaldo Oliveira. O desempenho de seus clubes no Campeonato Brasileiro pode ser um fator importante na decisão da diretoria da CBF.

O presidente da entidade, Ricardo Teixeira, é amigo de Parreira e o considera um treinador exemplar. A respeito de Luxemburgo, o dirigente nunca escondeu a vontade de vê-lo novamente no comando da seleção, depois de sua demissão por causa da péssima campanha nos Jogos Olímpicos de Sydney e das denúncias, até hoje não comprovadas, de que o técnico teria cometido atos criminosos.

Antecedência

O coordenador-técnico da seleção no mundial 2002 e hoje treinador do Vasco, Antonio Lopes, destacou ontem que Scolari já o havia comunicado da saída da seleção antes mesmo de o Brasil conquistar o título. “Nós tínhamos conversado depois da Copa e ele me disse que sairia. Depois, não voltamos a falar sobre o assunto, mas ele já estava decidido. Lamento porque ele arriscou a carreira e assumiu a seleção num momento crítico. Ele deixou um excelente trabalho, mas temos que respeitar a decisão. Para o lugar dele, o Zagallo, mesmo tendo deixado o futebol, e o Parreira são os melhores nomes.”

Zagallo

“Não falo sobre esse assunto e apenas desejo felicidades ao Felipão. Pensava que ele fosse continuar porque ele sofreu muito nesse período em que foi técnico da seleção e saiu vitorioso. Treinar a seleção não é fácil e diversos fatores devem tê-lo levado a tomar essa decisão. A opinião da família deve ter pesado e temos que respeitar a decisão dele”, disse Zagallo, que foi tetracampeão com o Brasil em 1994, então como auxiliar-técnico de Parreira, e vice-campeão mundial no comando da seleção em 1998.